A pedagogia de ser governo no RN

Num grupo de esquerda fizeram uma lista sobre os “blogs de direita” do RN e O Potiguar foi incluído.

Ao contrário do que se pode imaginar, não trata-se de ofensa por aqui, apesar de ter sido essa a intenção dos formuladores. É importante o diálogo com uma direita e esquerda racionais. Sigo a visão giddensiana de que a direita, até o presente momento, avançou mais do que a esquerda em matéria de equilíbrio fiscal e demonstração da preocupação com a violência. Para Anthony Giddens, a esquerda foi mais longe no combate à desigualdade.

E, como afirmou o enxadrista Bob Fisher, ao ser perguntado sobre porque sempre usa a mesma abertura (com as brancas) peão 4 do rei (peão e4, na linguagem mais usada hoje), “não costumo cometer erro no início do jogo”. Atribuir superioridade moral a posições legítimas dentro do ambiente democrático implica em erro no início da análise.

Sim, mas o motivo da inclusão do Potiguar na lista se deu pela defesa que faço das reformas (da previdência, teto dos gastos, etc) no RN desde 2015.

O bom é que o mundo gira. O governo do estado já aprovou a limitação orçamentária (antes PEC da Morte), trabalha para ingressar no plano de recuperação da secretaria do tesouro nacional, apelidado de plano Mansueto, e já anunciou que enviará a reforma da previdência em fevereiro. No caso do tombamento do hotel Reis Magos não teve qualquer tipo de aventura.

Como é educativo ser governo. Na oposição cabe todo tipo de discurso na busca estratégica pelo poder. Não encare a afirmação como um julgamento moral. Afinal, também fazemos isso nos espaços – quase todos eles – em que disputamos posições. Mas com a administração na mão é preciso responsabilidade e esse preceito não é de direita, é coisa de gestão que procura ir ao encontro dos interesses da maioria.

A irresponsabilidade costuma adubar as contas de quem tem maior capacidade de formular a agenda do estado, uma minoria, e acaba por tirar recursos de áreas sociais estratégicas e a inviabilizar o futuro da sociedade.

Que a esquerda estadual, principalmente aquela pouco pragmática e dada a classificar como de “direita” quem pondera por reformas, aprenda com o que está acontecendo, veja o que a esquerda responsável faz hoje no poder. Pois será o ajuste fiscal em andamento a condição necessária para a reeleição da governadora.

Deixe uma resposta