Cangaceiros institucionais

MORO E A LAVA JATO ACHAVAM A DELAÇÃO DE PALOCCI FURADA, MAS TIRARAM PROVEITO POLÍTICO DOS RELATOS

“DEVE TER MUITA NOTÍCIA DO GOOGLE, RS”

Não foram poucos os que, durante a campanha de 2018, mostraram que a publicação da delação de Palocci por Sérgio Moro, faltando seis dias para votação, era pura tentativa de interferir no processo eleitoral.

Nada de novo existia ali e ele fazia diversas afirmações genéricas sem demonstrar nada de concreto. A ação de Sérgio Moro ganha maior contextualização com a publicação de hoje (29) da Folha de SP/The Intercept dos trechos de diálogos entre procuradores da lava jato.

(Também não esqueça de que ele conversou sobre ser ministro de Bolsonaro durante do pleito, etc, etc, etc)

O cenário é de puro cálculo estratégico por parte dos procuradores, desejosos por impor derrota ao PT, que consideravam uma organização semelhante à máfia italiana.

Enquanto silenciavam estrategicamente para o que Sérgio Moro fazia – ele mesmo achava a delação de Palocci fraca -, zonavam do conteúdo da delação: “deve ter muita matéria de Google, rs”.

Para eles, Palocci se aproveitava da aliança pregressa com Lula, para repetir – sem provas – versões já dadas por outros delatores e, dessa forma, extrair uma redução de pena. O próprio juiz e os procuradores também se valeram dessa próximidade como uma maneira de tornar público o relato de Palocci e manejar a opinião pública contra o PT.

O então juiz Sérgio Moro e os procuradores da lava jato parecem profissionais saídos de uma ditadura – venezuelana – em que a justiça foi capturada por um dos lados políticos. É algo surreal.

A defesa de tal operação só pode ser feita ao custo de uma confissão pública – ainda que indireta, mas não menos efetiva – de completa falta de compromisso com questões básicas de direito e democracia. Diante do que tudo que foi revelado, “passar pano” para a lava jato é valorizar a prática de cangaceiros institucionais.

A questão não apenas o PT e o Lula. Sim, sua liberdade já deveria ter sido providenciada em face de todos os absurdos que atravessam seu processo. Mas a bagunça institucional que vivemos deve ser debitada na conta do modo como a operação lava jato acanalhou o país e fez muita política em torno do falso pretexto do combate à corrupção.

Segue link para matéria da Folha de SP:

https://www1.folha.uol.com.br/amp/poder/2019/07/moro-achava-fraca-delacao-de-palocci-que-divulgou-as-vesperas-de-eleicao-sugerem-mensagens.shtml?__twitter_impression=true

Deixe uma resposta