Carlos Eduardo Alves afirma que não feriu legalidade em licitação da Semsur

Do Ponto iD

POR DINARTE ASSUNÇÃO

O prefeito Carlos Eduardo Alves afirmou, em nota enviada ao blog, que o processo de licitação da decoração natalina de Natal em 2016 “seguiu todas as etapas dentro da mais rigorosa legalidade”.

No texto, ele ainda afirma que não houve “nenhum ato direto de minha parte que ferisse os princípios legais na contratação desses serviços. Muito menos houve autorização para que outras pessoas falassem em meu nomeno sentido de contrariar ou viciar os procedimentos regulares do processo”.

Nesta quinta-feira, reportagem do blog revelou com exclusividade que no dia da licitação da decoração natalina do ano passado o prefeito discutiu o que chamou de “solução salomônica” com o secretário da Semsur, Antonio Fernandes, que, na sequência, se reuniu com empresários para, segundo o Ministério Público, fraudar o processo licitatório.

Confira a nota do prefeito Carlos Eduardo Alves na íntegra:

NOTA DECORAÇÃO NATALINA

Em relação a notícias divulgadas sobre uma suposta interceptação telefônica na qual meu nome é mencionado, tenho a esclarecer que o aludido processo de contratação da decoração natalina seguiu todas as etapas dentro da mais rigorosa legalidade.

Não houve nenhum ato direto de minha parte que ferisse os princípios legais na contratação desses serviços. Muito menos houve autorização para que outras pessoas falassem em meu nome no sentido de contrariar ou viciar os procedimentos regulares do processo.

Como gestor, tenho por hábito ligar para cobrar agilidade dos auxiliares nos procedimentos licitatórios, obedecendo invariavelmente a todos os trâmites legais e tendo em vista a necessidade de levar a efeito as obras e programas que a população nos reivindica e precisa.

Por isso o reconhecimento como gestor que realiza, edifica e trabalha em favor da comunidade.

Qualquer outra interpretação sobre essas notícias nos autoriza a enxergar uma tentativa totalmente forçada de envolver meu nome. O que merece de pronto nosso absoluto repúdio.

Deixe uma resposta