Casos de drogas citados por Weintraub não têm elo com universidades federais

Folha de SP – Em seu mais recente ataque à autonomia das universidades federais, o ministro Abraham Weintraub (Educação) afirmou na semana passada que as instituições de ensino estariam abrigando “extensivas plantações de maconha” em suas áreas.

Como prova, divulgou em suas redes sociais duas notícias que, checadas pela Folha, não autorizam uma conclusão como a manifestada pelo titular da pasta.

As notícias veiculadas por Weintraub são de 2017 e de maio deste ano, e citam a UnB (Universidade de Brasília) e a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).

A primeira foi usada pelo ministro para defender que há plantações extensivas de maconha em algumas universidades federais brasileiras. As declarações foram dadas pelo titular da Educação em entrevista ao Jornal da Cidade, na qual Weintraub afirmou haver doutrinação nos centros de ensino alimentada pelo que chama de falácia de que as universidades precisariam de autonomia.

“Você tem plantações extensivas, e não três pés de maconha, mas plantações extensivas de maconha em algumas universidades. A ponto de ter borrifador de agrotóxico. Porque orgânico é bom contra a soja, para não ter agroindústria no Brasil, e para a maconha deles querem tudo que é tecnologia à disposição”, disse na entrevista.

Para comprovar sua afirmação, o ministro compartilhou em suas redes sociais, na sexta (22), um vídeo sobre uma operação que terminou com três estudantes detidos —dois deles, da UnB.

A reportagem, de abril de 2017, afirmava que as plantas haviam sido encontradas em terreno pertencente à universidade. A respeito da atuação dos estudantes, o delegado responsável, Rodrigo Bonach, dizia na ocasião ser preciso determinar se a maconha era para consumo pessoal ou se seria vendida para terceiros.

A investigação, não citada pelo ministro, mostrou posteriormente que a plantação não estava em área da universidade. Os jovens também não foram condenados por tráfico de drogas.

Foram abertos três processos por posse, plantio e oferta de droga para consumo comum e sem objetivo de lucro, em dependências de estabelecimento de ensino.

O Ministério Público ofereceu aos dois estudantes da UnB acordo por constatar que as infrações tinham pequeno potencial ofensivo. Um deles teve o processo de consumo extinto por falta de provas.
Em nota, a UnB ressaltou que o local em que ocorreu a apreensão de maconha não pertence à universidade e que não houve confirmação na Justiça de autoria de crime pelos estudantes.

“A administração repudia veementemente a associação equivocada da imagem da universidade a práticas ilícitas. O fato é ainda mais grave quando ocorre de maneira recorrente e por parte de um gestor público cujo papel é o de promover a educação, em seus diversos níveis”, afirmou a instituição.

Na mesma sexta, Weintraub divulgou outra notícia, sobre drogas sintéticas supostamente produzidas na UFMG.

A reportagem, de maio deste ano, trazia uma investigação da Polícia Civil sobre estudantes que usariam insumos da instituição de ensino para fabricar e vender drogas.

A decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, de outubro, deixa claro que os três condenados não tinham vínculo formal com a instituição e que não havia provas de que a direção da faculdade tivesse sido comunicada da ocorrência —embora, conforme o entendimento do juiz Thiago Colnago, da 3ª Vara de Tóxicos da Comarca de Belo Horizonte, fosse pouco provável que os servidores públicos da UFMG não tivessem desconfiado do que ocorria nas dependências da universidade.

Procurada, a UFMG informou que, conforme comprovado na Justiça, os indiciados não eram estudantes ou servidores da universidade e que “não há indícios ou qualquer prova de que laboratórios de química foram utilizados para fabricação de drogas”. Cita ainda nota do conselho universitário em que afirma não pactuar com práticas ilegais e reafirma a disposição de cooperar com autoridades.

Deixe um Comentário