Como disse lá atrás, Bolsonaro não está aguentando a campanha

COMO DISSE LÁ ATRÁS, BOLSONARO NÃO ESTÁ AGUENTANDO A CAMPANHA
 
Como falei diversas vezes por aqui bem lá atrás, Bolsonaro não aguenta a campanha.
 
A eleição é uma bomba informacional que gera uma forte exposição e escrutínio de todos os candidatos. Não é possível viver de frase de efeito e vídeo para redes sociais, apenas.
 
Sua rejeição está aumentando. E, estejam certos, vai subir mais.
 
É provável também que a votação de Bolsonaro sofra refluxo. Ora, isto ocorrerá porque ele será obrigado a se mostrar, falar. A tentativa de fugir dos debates será em vão.
 
Há racionalidade em sua ação. Se ele não aguenta um confronto ao vivo, é melhor sofrer com a ausência dele. O dano é menor. Só que não tem como fazer campanha sem imergir nela.
O que é a força de Bolsonaro hoje será seu problema com o passar do pleito. Suas propostas são facilmente assimiláveis, aparentemente fazem sentido imediato. Há violência? Arme o cidadão. Existe corrupção? Privatize tudo.
 
O dado é que a base está assentada em um castelo de cartas. E ele não conseguirá atribuir uma mediação mais consistente sem se trair, sem abrir flancos para os oponentes.
 
Como também já disse por aqui, o grosso do seu eleitorado não é “fascista”. Se fosse, seria difícil sangrá-lo. Mas não é assim. Na medida em que o interesse pela eleição aumentar, parte do eleitor médio deixará as filerias do capitão.
 
Questão de tempo.

PS. Não entrei nem na falta de tempo de tv e carência de palanques regionais.

Deixe uma resposta