Guerra entre facções criminosas faz taxa de homicídios explodir no nordeste

Guerra entre facções criminosas faz taxa de homicídios explodir no nordeste

“O salve [ordem escrita] é para matar quem for PCC. Hoje mesmo mataram um e mandaram um vídeo. Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa”, diz, por telefone, um homem investigado, sendo retrucado em seguida por uma mulher também investigada. “Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele .”

O diálogo interceptado pela polícia de Alagoas está transcrito em uma decisão judicial de 28 de abril de 2017 , em que a defesa dos dois suspeitos de tráfico de drogas pedia a liberdade da prisão preventiva. A Justiça negou por entender que a soltura da dupla traria riscos à sociedade.

A conversa entre os dois criminosos revela um cenário que já é percebido pelas autoridades do Nordeste e fez o número de assassinatos explodir, comparando-se os números do primeiro semestre deste ano com o mesmo período do ano passado: aumento de 11% em Alagoas, 25,4% no Ceará e 22,4% no Rio Grande do Norte.

São nestes três Estados que a maior facção criminosa do país, o PCC (Primeiro Comando da Capital), está mais presente no Nordeste. E, em todos eles, está em guerra com o CV (Comando Vermelho) e facções locais por espaço dentro e fora dos presídios.

Decisões dos tribunais de Justiça dos outros seis Estados nordestinos, a cujo conteúdo o UOL teve acesso, indicam que o grupo criminoso paulista está presente em toda a região.

Segundo levantamento do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), o Nordeste e o Norte já respondem por um terço de filiados do PCC. Os nove Estados nordestinos juntos teriam 3.818 filiados ao PCC (sendo 73% desse total no trio citado acima).

“Estes Estados têm mais membros ‘batizados’ do PCC porque são os que, originalmente, detinham em seus respectivos sistemas prisionais o maior número de detentos paulistas. Esses detentos paulistas já eram do PCC e passaram então a cooptar os criminosos locais”, afirma o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, membro do Gaeco do MP-SP (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Lotado no núcleo do Gaeco de Presidente Prudente (distante 558 km de São Paulo), Gakiya comanda, há mais de uma década, investigações sobre a facção paulista.

“O salve [ordem escrita] é para matar quem for PCC. Hoje mesmo mataram um e mandaram um vídeo. Quando sair, tem que rasgar a camisa e ficar de boa”, diz, por telefone, um homem investigado, sendo retrucado em seguida por uma mulher também investigada. “Não tem que rasgar a camisa, não; tem que arrancar a cabeça dele .”

O diálogo interceptado pela polícia de Alagoas está transcrito em uma decisão judicial de 28 de abril de 2017 , em que a defesa dos dois suspeitos de tráfico de drogas pedia a liberdade da prisão preventiva. A Justiça negou por entender que a soltura da dupla traria riscos à sociedade.

A conversa entre os dois criminosos revela um cenário que já é percebido pelas autoridades do Nordeste e fez o número de assassinatos explodir, comparando-se os números do primeiro semestre deste ano com o mesmo período do ano passado: aumento de 11% em Alagoas, 25,4% no Ceará e 22,4% no Rio Grande do Norte.

São nestes três Estados que a maior facção criminosa do país, o PCC (Primeiro Comando da Capital), está mais presente no Nordeste. E, em todos eles, está em guerra com o CV (Comando Vermelho) e facções locais por espaço dentro e fora dos presídios.

Decisões dos tribunais de Justiça dos outros seis Estados nordestinos, a cujo conteúdo o UOL teve acesso, indicam que o grupo criminoso paulista está presente em toda a região.

Segundo levantamento do MP-SP (Ministério Público de São Paulo), o Nordeste e o Norte já respondem por um terço de filiados do PCC. Os nove Estados nordestinos juntos teriam 3.818 filiados ao PCC (sendo 73% desse total no trio citado acima).

“Estes Estados têm mais membros ‘batizados’ do PCC porque são os que, originalmente, detinham em seus respectivos sistemas prisionais o maior número de detentos paulistas. Esses detentos paulistas já eram do PCC e passaram então a cooptar os criminosos locais”, afirma o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, membro do Gaeco do MP-SP (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Lotado no núcleo do Gaeco de Presidente Prudente (distante 558 km de São Paulo), Gakiya comanda, há mais de uma década, investigações sobre a facção paulista.

UOL

Deixe uma resposta