MPF, o bolsonarismo e a investida contra a OAB

O processo de calúnia é ação individual. Mas quem se importa? O ministério público federal parece que não. Agindo como advocacia geral da união, o MPF resolveu tomar as dores do ministro Sérgio Moro e denunciar o presidente da OAB, Felipe Santa Cruz. E não achando pouco, ainda pediu a saída do dito cujo da Ordem.

Tudo bem que o bolsonarismo no ministério público federal não é exatamente uma novidade. Mas, ainda assim, o procurador fez questão de reproduzir trechos das críticas do ministro da justiça Sergio Moro. Ele chamou Santa Cruz de militante político.

E sobre o fato de Moro ter ligado para autoridades, dizendo que estava de posse de conversas gravadas contra elas apreendidas com hackers e ter prometido apaga-las? Nenhuma única palavra. Como ministro da justiça, Moro não poderia tomar a atitude que empreendeu, pois ele não é partícipe das investigações e muito menos prometer apagar provas de uma crime cometido por terceiro.

Para o MPF, no entanto, a referida conduta criticada pelo presidente da OAB não tem problema algum.

MPF denuncia presidente da OAB por calúnia contra Moro e pede seu afastamento do cargo

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, pelo crime de calúnia contra o ministro da Justiça, Sergio Moro. O órgão pediu ainda o afastamento de Santa Cruz da presidência da entidade. As informações são do jornal O Globo.

Segundo a denúncia, Santa Cruz teria caluniado o ministro ao chamá-lo de “chefe de quadrilha” em entrevista sobre o comportamento de Moro na condução das investigações da Operação Spoofing. Se for condenado, Santa Cruz pode ser sentenciado a até dois anos de prisão. A denúncia contra Santa Cruz foi motivada por uma representação contra ele feita por Moro.

Deixe um Comentário