Para Augusto Aras, trabalho do MP/Judiciário é desumano: férias de 60 dias são justas

O procurador geral da república, augusto Aras, reagiu ao projeto do governo que visa diminuir as férias do judiciário e do ministério público de 60 para 30 dias.

Segundo ele, a atividade laborativa do topo da pirâmide do funcionalismo brasileiro é desumana.

Em suas declarações, aproveitou ainda para ameaçar os demais poderes. Como ficaria se no legislativo e no executivo todo mundo tivesse que bater ponto eletrônico?

Deixe um Comentário