Planalto pede para diretor da PF ‘submergir’ após falar que inquérito contra Temer será arquivado

A cúpula do governo pediu para o diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, “submergir” e parar de falar sobre investigações em andamento. O recado foi transmitido a Segovia, nos últimos dias, após ele ter indicado que o inquérito contra o presidente Michel Temer – aberto para apurar denúncias de irregularidades na edição do Decreto dos Portos – seria arquivado.

Na avaliação do Palácio do Planalto, a entrevista de Segovia à agência de notícias Reuters causou constrangimento a Temer e ao delegado Cleyber Lopes, responsável pelas apurações. Em conversas reservadas, auxiliares de Temer lembraram não ser a primeira vez que o  diretor-geral da PF “fala demais”, provocando mal-estar no governo.

O presidente da comissão, Mauro Menezes, afirmou que Segovia pode ser alvo de um inquérito para apurar se houve alguma conduta não condizente com o cargo ocupado por ele. “Se houver o ingresso de alguma representação, nós certamente levaremos na reunião de segunda-feira. Se não houver nada até lá, a própria comissão poderá discutir o caso e decidir se abre ou não um processo”, disse  Menezes ao Estado.

Segovia também foi intimado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso a se manifestar nos autos sobre o teor de suas declarações a respeito do inquérito contra Temer. Barroso é relator do inquérito no Supremo e, em seu despacho, escreveu que a conduta de Segovia, “se confirmada, é manifestamente  imprópria e pode, em tese, caracterizar infração administrativa e até mesmo penal”.

O diretor-geral da PF disse ter sido “mal interpretado” e pediu audiência com Barroso, marcada para segunda-feira.

No Congresso, partidos de oposição, como o PT, ameaçam entrar com representação contra Segovia, na próxima semana.

Segundo o líder do PSOL na Câmara, deputado Ivan Valente (SP), a estratégia será não apenas acionar a Comissão de Ética Pública da Presidência como convocar Segovia a dar explicações no Congresso. “Essa investigação sobre o presidente Michel Temer tem um potencial muito explosivo”, argumentou Valente.

O deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), por sua vez, anunciou que apresentará convitepara ouvir o diretor-geral da PF na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

ESTADÃO CONTEÚDO

 

Deixe um Comentário