Presidente do BNDES é pressionado a esclarecer gasto aditivo com auditoria de 48 milhões que não achou “caixa preta” no banco

O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, está sendo pressionado pela diretoria e pelo Conselho de Administração do banco a dar uma resposta mais contundente e rápida sobre a auditoria contratada para desvendar a suposta caixa-preta nas operações feitas entre 2005 e 2018. (…)

Conforme apurou o Estado, a preocupação agora é com a investigação do contrato pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Os diretores do BNDES querem se adiantar e marcar uma audiência com o relator das contas do banco no TCU, Augusto Sherman, nos próximos dias, para apresentar dados adicionais da auditoria.

Depois que o Estado revelou que o BNDES desembolsou R$ 48 milhões, nova reportagem mostrou que a gestão Montezano aumentou em US$ 3,5 milhões, cerca de R$ 15 milhões o valor da auditoria que prometia abrir a “caixa-preta” da instituição, o que piorou a situação. (…)

No Estadão.

Deixe uma resposta