Sobre as fake news contra Boulos em Natal: ou como se constrói a pauta do “aparelhamento”

SOBRE AS FAKE NEWS CONTRA BOULOS EM NATAL: OU COMO SE CONSTRÓI A PAUTA DO “APARELHAMENTO”

Na esfera pública potiguar – foi mal aí, caro Habermas – estão dizendo que os cortes nas universidades e institutos foram merecidos. Motivo: a palestra que Guilherme Boulos dará hoje (15) no IFRN. Seria uma suposta comprovação do aparelhamento das universidades. Estou em mais de 100 grupos de WhatsApp – o meu termômetro – e, dentro deles, o chorume sobre o assunto escorre. Há acusações de que o IFRN estaria pagando pela palestra.

O cartaz a respeito do evento é claro e evidente no sentido contrário. A palestra é um evento do sinasefe, o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica. Ou seja, não é do IFRN e nem foi pago por ele. Mas em tempos estranhos não são poucos os que secundarizam uma informação objetiva.

Você pode não gostar do Boulos, no sentido de achar que ele contribui pouco ou nada para o debate. É um direito que lhe assiste criticar, questionar. Mas no presente caso quem tem de deliberar sobre o assunto é a diretoria eleita da instituição e seus sindicalizados. Afinal, os sindicatos são autônomos e podem se reunir com quem quiserem e a hora que acharem conveniente sem a obrigação de terceiros participarem. Quem pensa distante de tal ponto de vista, não passa de uma pessoa autoritária.

E é interessante. Há críticas sobre o fato da palestra ocorrer no IFRN. Ora, se o sindicato é da instituição, o evento deveria acontecer em que local então? Por esse viés – iliberal -, o seminário feito pela Fiern – mantida com imposto patronal – com Eliane Cantanhede também viraria objeto de críticas. As muitas reuniões partidárias nos auditórios da assembleia legislativa do RN idem. O fato é que esses equipamentos públicos servem para o fim descrito e não há qualquer problema.

O melhor a fazer diante de tal situação é usar como anteparo a velha e boa democracia liberal, que defende liberdade de organização e pensamento. As pessoas se associam e conversam com quem elas quiserem e sobre o que entenderem ser o mais conveniente. Torço para que tais princípios continuem resguardados por bastante tempo.

Deixe uma resposta