Surpresos, aliados e militares tentam identificar foco de ações intempestivas de Bolsonaro

Aliados de Jair Bolsonaro (PSL) e militares tentam identificar o foco das ações intempestivas do presidente.

A avaliação do núcleo militar e de integrantes da base do governo no Congresso é a de que, principalmente nos últimos dias, Bolsonaro voltou a ser estimulado a ir para o confronto e a dar vazão ao que é classificado como pauta secundária.

A preocupação desses aliados é a de que, ao ser incentivado a prestar atenção em temas laterais, Bolsonaro acaba, inevitavelmente, esquecendo a agenda positiva do governo, como a econômica —que tem apoio da Câmara e do Senado e respaldo de setores da população.

Na segunda-feira (29), tanto militares quanto integrantes da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto foram pegos de surpresa com as declarações de Bolsonaro, dadas na porta do Palácio da Alvorada, sobre o pai do presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

A entrevista à imprensa não estava programada na agenda e os auxiliares do presidente já o aguardavam na antessala de seu gabinete para um reunião programada para as 8h10. Àquele momento, Bolsonaro estava acompanhado apenas de seguranças e ajudantes de ordem.

O núcleo duro do Planalto, incluindo civis e militares, e os aliados mais próximos do Congresso, como o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL-GO), participaram, só depois da entrevista, do encontro que já foi incorporado à rotina diária de Bolsonaro.

A reunião, que começou atrasada por causa das declarações matutinas do presidente, teve uma pauta que passou ao largo das declarações polêmicas que Bolsonaro acabara de dar na saída do Alvorada.

De acordo com relatos ouvidos pela Folha, não foi proposital —os auxiliares palacianos e os aliados nem tiveram tempo de ver as falas.

“Por que a OAB impediu que a Polícia Federal entrasse no telefone de uma dos caríssimos advogados? Qual a intenção da OAB? Quem é essa OAB? Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, conto pra ele”, afirmara Bolsonaro, reclamando da atuação da Ordem na investigação do caso Adélio Bispo, autor do atentado à faca do qual foi alvo.

Ao ironizar o desaparecimento do pai do presidente da OAB, Felipe Santa Cruz, durante a ditadura militar (1964-1985), Bolsonaro estimulou a organização de um gabinete de crise informal.

Nesta terça-feira (30), o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, foi escalado para tentar conter a onda de declarações extemporâneas do presidente.

A fala de como teria se dado a morte de Fernando Santa Cruz soou despropositada também entre os militares.

A avaliação recorrente, dentro e fora do Planalto, entre aliados e adversários do governo, é de que Bolsonaro extrapolou o limite do aceitável, ao “dar um golpe abaixo da linha da cintura” do presidente da OAB.

O impacto, dizem pessoas próximas a Bolsonaro, poderia ter sido muito maior se o Congresso não estivesse em recesso.

A preocupação, de acordo com a análise desses aliados, é que o governo perca, definitivamente, o controle da pauta positiva e que, diante de tantas polêmicas, até mesmo a base de sustentação de Bolsonaro nas ruas acabe o abandonando.

Como mostrou a Folha nesta terça, um dos fatores que levaram Bolsonaro a intensificar a agressividade no discurso foram as críticas à indicação de seu filho Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) como embaixador do Brasil nos EUA.

Em conversas reservadas, Bolsonaro disse a aliados que vê nos ataques a Eduardo uma ofensa pessoal e que, por isso, seria sua obrigação sair em defesa pública do filho.

De acordo com assessores palacianos, o presidente é bastante sensível a qualquer questão que atinja sua família e pouco escuta a equipe sobre o tom que adotará nas declarações.

Não se sabe, portanto, se o comportamento intempestivo do presidente é estimulado pelos filhos. Aliados lembram, no entanto, que o deputado Eduardo e o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) passaram grande parte do recesso parlamentar fora do país.

No Congresso, a percepção é a de que o presidente ainda é influenciado por uma rede que ainda não se desvinculou do espírito da campanha eleitoral.

O clima de caça às bruxas, dizem parlamentares mais próximos ao governo, segue na órbita de Bolsonaro e, em determinados momentos, como o atual, explode.

Na perspectiva de virar a pauta, palacianos marcaram um encontro de Bolsonaro com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na manhã desta terça. O encontro serviu para distensionar a relação entre eles.

O esforço no Planalto agora é para, às vésperas da retomada dos trabalhos no Congresso, estancar a crise provocada pela série de declarações do presidente e preservar o avanço das reformas tributária e da Previdência.

“Apesar de Bolsonaro, temos que tratar das questões do Brasil. Não dá para a gente aprofundar a crise em que pesem essas maluquices”, disse o líder do MDB no Senado, Eduardo Braga (AM).

Nesta terça, no entanto, Bolsonaro voltou a falar do caso de Fernando Santa Cruz e disse não ter documentos que descrevam que ele desapareceu em 1974, após ser preso pelo DOI-Codi, órgão de repressão da ditadura.

“O que eu sei é o que falei para vocês. Não tem nada escrito que foi isso, foi aquilo. Meu sentimento era esse”, disse o presidente, em entrevista pela manhã.

Contestado com o fato de haver documentos públicos que mostram que o desaparecimento se deu após prisão pelo Estado, o presidente questionou a Comissão Nacional da Verdade (CNV), grupo criado pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2011 que investigou violações aos direitos humanos ocorridos durante o regime.

“Você acredita em Comissão da Verdade? Qual foi a composição da Comissão da Verdade? Foram sete pessoas indicadas por quem? Pela Dilma”, afirmou. “Nós queremos desvendar crimes. A questão de 64, não existem documentos de matou, não matou, isso aí é balela.”

O relatório final da CNV, divulgado em 2014, concluiu que 434 pessoas foram mortas ou desapareceram vítimas de violência do Estado no período que vai de 1946 a 1988. Dentre esses, há 210 desaparecidos e 191 mortos —33 corpos foram localizados.

FOLHAPRESS

Deixe uma resposta