Uma ferida difícil de cicatrizar

UMA FERIDA DIFÍCIL DE CICATRIZAR

Não consigo deixar de me impressionar com o submundo do bolsonarismo. Fico vendo as correntes, as agências de checagem, que passam o dia desmentindo notícias falsas advindas do bolsonarismo, e os fios que se formam entre aqueles que defendem Bolsonaro nas redes sociais. Trata-se de um espaço de baixaria generalizada e completa ausência de empatia, alicerçada na satanização dos opositores.

É de deixar qualquer um estupefato, por exemplo, o processo de fritura, de compartilhamento de mentiras e narrativas conspiratórias contra o presidente da OAB e seu pai. Eu achava que estava acostumado com isso, que já tinha visto de tudo nesse meio, que tinha frieza para enxergar essas coisas, mas é demais.

O Brasil – ou ao menos parte dele – se encontra doente e vive num mundo paralelo em que a realidade virou detalhe inconveniente.

Claro, há robôs em profusão. Não é difícil identificá-los: são contas recém criadas, com fotos turvas e interação sem vida. Mas há sim gente real, defendendo perseguição, censura, tortura e morte.

Fala-se em custo institucional, econômico, mas tenho uma curiosidade: qual será o valor a ser pago pelos próximos anos pela capilarização social desse radicalismo? Mesmo que Jair Bolsonaro saia do governo amanhã, o que não ocorrerá, suponho de modo pessimista que passaremos anos até conseguirmos superar os sentimentos negativos perpetrados pelo movimento que ele lidera. Será como uma ferida difícil de cicatrizar.

Deixe uma resposta