Usadas por políticos, ligações por WhatsApp não são 100% seguras

Usadas por políticos, ligações por WhatsApp não são 100% seguras

Principal elemento motivador da prisão de Geddel Vieira Lima (PMDB), as ligações efetuadas para a mulher de Lúcio Funaro foram supostamente executadas pelo peemedebista por meio do aplicativo de troca de mensagens WhatsApp. A informação é conferida a partir de imagens colhidas no celular do baiano.

O uso da ferramenta tem se intensificado entre a classe política. Há a ideia de que é praticamente impossível ter um telefonema desta natureza interceptado, uma vez que ele garante ser “criptografado de ponta-a-ponta”. A realidade, no entanto, é um pouco diferente.

Advogado e analista de sistemas, Valbet Panta alerta aos que pretendem esconder algo através de ligações pelo serviço. “O aplicativo tem duas modalidades de conversa: o texto e a chamada de voz. A camada do texto é protegida, a de voz não. A conversa através de mensagem você não consegue grampear, pois o WhatsApp não fornece, mas a ligação é outro sistema”, afirmou.

De acordo com Panta, a Polícia Federal – por exemplo – pode requerer uma gravação do aplicativo. “Se o aplicativo se negar, ele vira partícipe do crime. O aplicativo é obrigado a fornecer”, apontou.

A opinião é compartilhada pela advogada especialista em direito digital, Ana Paula Moraes. “O WhatsApp vende que são conversas criptografadas, que, em tese, não são interceptadas, mas ninguém tem 100% de segurança na internet. Tendo um grampo da Polícia Federal, ela pode requerer que o WhatsApp da pessoa seja grampeado também”, explicou.

Ainda sem pedido de grampo, as autoridades podem ter acesso aos conteúdos do aparelho telefônico, de acordo com Ana Paula. “Hoje, a perícia forense consegue identificar ligações, todas as modificações no dispositivo. A polícia pode, com seu IP, saber a análise de dados do seu celular e ver com quais pessoas você conversou, o conteúdo…”, exemplificou, ao bahia.ba.

Bloqueio – Nos últimos anos, o aplicativo foi bloqueado temporariamente pela Justiça brasileira. As motivações sempre apontaram para a desobediência de decisões do Judiciário.

Em outras nações, o WhatsApp também é alvo de ataques constantes. Nos últimos meses, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, tentou banir aplicativos que usam criptografia na troca de mensagens, o que inclui o WhatsApp, o iMessage (da Apple) e o Telegram.

A alegação é a falta de colaboração das empresas nas investigações de crime e combate ao terrorismo.

 

Bahia.Ba

Deixe uma resposta