Vereadores de Natal participam da tradicional procissão de São Pedro

Vereadores de Natal participam da tradicional procissão de São Pedro

Nem a chuva espantou os fiéis católicos e devotos de São Pedro que percorreram as ruas do Alecrim, nesta quinta-feira (29), na procissão em reverência ao primeiro papa da Igreja Católica. A Paróquia de São Pedro Apóstolo celebrou, no período de 19 a 29 de junho, a 98ª edição da festa do santo padroeiro do bairro. Centenas de fiéis estavam presentes na concentração; muitos usavam algum traje de cor vermelha, símbolo do sangue derramado por São Pedro.
Representando a Câmara Municipal de Natal, o presidente Raniere Barbosa (PDT) falou de sua satisfação em participar da procissão. “É uma alegria todos os anos comemorar o festejo em honra ao nosso padroeiro. Contagiante a energia e a fé que move os corações daqueles que celebram este momento. Gosto de vivenciar os eventos religiosos, porque eles expressam a tradição e a cultura do nosso povo”.
De acordo com o vereador Preto Aquino (PEN), Natal é uma cidade de fé e as celebrações são motivadas por devotos que reconhecem as bênçãos recebidas. “Pedro era pescador de peixes e foi chamado por Jesus Cristo para anunciar seu evangelho e se tornar um pescador de homens”, lembrou o parlamentar.
“Um povo de fé tem sede de Deus”, disse o Padre Francisco Motta, em relação a persistência dos fiéis que seguiram a imagem com cânticos e orações. “Percorremos as principais vias da comunidade para agradecer ao santo, que é protetor dos pescadores, pelas conquistas do último ano e pedir saúde e fartura para os próximos meses. Louvores e rezas são o jeito de agradecer a São Pedro, que também é protetor das viúvas e o guardião das portas do céu”, concluiu o pároco da Paróquia de São Pedro.
Segundo a Igreja, Pedro foi morto a mando do imperador romano Nero, em função de professar a fé cristã. O dia 29 de junho é celebrado pelos católicos como a data de sua morte. A festa de São Pedro chegou ao fim depois de dez dias de atividades com programação religiosa e sócio-cultural.

Deixe uma resposta