Apesar da manutenção, a UFRN caminha para a suspensão das aulas pela pressão dos professores

A Ufrn, que montou um comitê de acompanhamento da situação do coronavírus, manteve o funcionamento das aulas. O reitor, Daniel Diniz, anunciou a decisão.

Porém, há um entendimento majoritário entre os professores e diretores de centro de que o melhor a fazer é se antecipar, inclusive porque o corpo docente é, em boa parte, grupo de risco.

A avaliação entre os departamentos é que o Brasil não pode ser uma nova Itália, que brincou com o assunto e depois viu seu sistema de saúde esfacelado pela alta taxa de internação e elevado número de mortos.

Haverá no início da semana uma reunião entre os diretores de centro para tratar do assunto.

Com quem o blog conversou disse que há a possibilidade de fazer aulas online. Empecilho: cerca de 20% dos alunos da UFRN têm limitação de acesso à internet, quer seja total ou parcial (pacote de dados limitado).

PS. Esse cenário projetado parte do pressuposto de que a epidemia seguirá o curso previsto pelos especialistas.

Deixe um Comentário