Após fechar com Fátima, surgem sinais de tapetão contra Carlos Eduardo

Começa a circular uma estranha tese de reprovação das contas enquanto foi prefeito de Carlos Eduardo. Ora, isto ocorre no mesmo instante em que ele lidera as pesquisas, contra o principal nome da oposição até o momento – Rogério Marinho -, para o senado e vai compor a chapa da governadora Fátima.

O movimento foi bem descrito pelo jornalista Bruno Barreto em seu texto abaixo. Parece coisa de tapetão. Se a reprovação ocorrer na câmara municipal, ele se tornaria inelegível.

Carlos Eduardo revive pesadelo da inelegibilidade após se aproximar de Fátima

Do blog do Barreto – A sombra da inelegibilidade voltou a assombrar o ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) após dez anos. Por incrível que pareça a motivação é a mesma no ponto de vista jurídico e passa por gestos políticos do pedetista.

No primeiro caso como em 2012, Carlos Eduardo Alves teve parecer desfavorável do Tribunal de Contas do Estado (TCE) em relação as contas de 2009 que foram reprovadas. A decisão foi referendada pela Câmara Municipal de Natal, o que lhe deixaria inelegível.

Graças a uma liminar que adormeceu no judiciário potiguar, Carlos pôde disputar as eleições de 2012 e ser reeleito em 2016.

O problema político na época se deu porque mesmo com uma desaprovação histórica, a então prefeita de Natal Micarla de Sousa controlava o parlamento. Para piorar a situação, Carlos atacou os edis em diversas entrevistas e numa delas comparou eles a um palito de fósforo queimado.

Como em 2012, mais uma vez é um parecer desfavorável de suas contas no TCE assombra o pedetista. Agora é relativo ao exercício orçamentário de 2015. Carlos teria excedido o limite de R$ 113 milhões para abertura de crédito suplementar, chegando a abrir mais de R$ 320 milhões. “Por muito menos, Dilma foi cassada. É improbidade administrativa. Então isso é de uma ordem gravíssima, porque ele mesmo já foi reeleito, cometendo crimes de improbidade”, disse na 96 FM o vereador Raniere Barbosa (Avante), presidente da Comissão de Finanças e Fiscalização da Câmara Municipal de Natal.

O assunto veio à tona justamente após Carlos Eduardo Alves sinalizar entendimento com a governadora Fátima Bezerra (PT) para compor chapa com a petista sendo candidato ao Senado, posto que será disputado com o ministro do desenvolvimento Regional Rogério Marinho (PL), que conta com o apoio do prefeito de Natal Álvaro Dias (PSDB).

Para piorar, Carlos Eduardo chegou a declarar que invocaria a fidelidade partidária para tomar o mandato do presidente da Câmara Municipal Paulinho Freire caso ele deixe o PDT. Em seguida foi plantada a notícia de que os vereadores estavam discutindo a implantação de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar a gestão do ex-prefeito na Secretaria de Trânsito e Transporte Urbano (STTU).

Não demorou muito para Carlos recuar e admitir a liberação de Paulinho Freire para mudar de partido.

O jogo é bruto e o fantasma da inelegibilidade voltou a rondar Carlos Eduardo Alves.

Deixe um Comentário