As elites apostam na pax bolsonariana, constata Thomas Traumann

Por Thomas Traumann

Do Poder 360

As semanas de contenção do presidente Jair Bolsonaro deram o seu 1º fruto. Em almoço na 6ª feira (3.jul.2020), no Palácio da Alvorada, a residência oficial do presidente da República, um grupo de executivos e donos de empresas sinalizou sua satisfação com a “pax bolsonariana”, na qual o governo envia projetos, o Congresso vota, o Supremo analisa e ninguém ameaça degolar a cabeça de ninguém.

O grupo representa o que se convencionou chamar de “elite”, homens com poder de mando sobre o futuro de bancos, construtoras, indústrias e agroexportadoras. Estavam no Alvorada Luiz Carlos Trabuco (Bradesco), Rubens Ometto (Cosan), Rubens Menin (MRV, Banco Inter e CNN Brasil), Candido Pinheiro (HapVida), Fernando Queiroz (Minerva Foods), Carlos Alberto Oliveira (Caoa), Eugênio Mattar (Localiza), Francisco Gomes (Embraer) e Lorival Nogueira (BRF). A influência do grupo ultrapassa o tamanho de suas empresas, operando como vasos comunicantes entre o poder político e o poder econômico.

Em meio a uma crise tripla –a contaminação desenfreada pelo coronavírus, a recessão e o impasse institucional com o Supremo– o almoço serviu como um aval da elite para esse presidente em modo pacífico. Os investimentos fluem melhor quando o país está calmo, argumentaram os empresários.

É um feito. Bolsonaro foi eleito berrando que era o candidato contra o establishment e muitos dos que foram ao almoço torciam o nariz para o capitão até pouco mais de 2 anos. E estavam ali para aplaudir outra decisão que o Bolsonaro de 2018 não toleraria, a formação de uma base congressual nos velhos moldes do toma-lá-dá-cá. Como diria um antecessor de Bolsonaro, “tem que manter isso daí”.

A questão é: “Quão sustentável é a pax bolsonariana?” Louvada pelos analistas políticos como única alternativa para os dias difíceis à frente, a pax com aval da elite já foi o cavalo-de-pau de Fernando Collor em 1992, quando trocou heterodoxa Zélia Cardoso de Mello pelo moderado Marcílio Marques Moreira e colocou o PFL no centro do poder. Talvez tivesse dado certo não fosse o irmão do presidente denunciá-lo por corrupção.

Mais sorte teve Luiz Inácio Lula da Silva, que depois do mensalão, incorporou o PMDB ao governo, alcançou maioria na Câmara e trouxe o empresariado para seu lado com financiamentos do BNDES e contratos do PAC. Dilma Rousseff tentou fazer uma guinada junto à elite com a entrada de Joaquim Levy para comandar a economia, mas era tarde demais depois de um mandato inteiro de “bateu de frente/ é só tiro, porrada e bomba”.

Em tese, parece fácil manter a boca fechada, não ir a manifestações pela ditadura e cumprir acordos com o Congresso que impeçam um processo de impeachment. Menos para Bolsonaro.

O capitão foi eleito por uma gama de interesses colados apenas pelo “contra-tudo-que-está-aí”, a ideia difusa que vai do marxismo cultural nas universidades à legislação ambiental, do horário de verão às restrições de porte de armas, da lentidão da Justiça na punição de suspeitos de corrupção à tomada de 3 pinos. Como Bolsonaro nunca teve um programa de governo, tudo coube dentro da sua campanha.

Quem foi à rua, distribuiu correntes de WhatsApp e elegeu o capitão foram essas mulheres e homens que chamam os ministros do Supremo de corruptos, defendem cadeia para o Centrão e torcem pelo cancelamento da concessão da TV Globo. Foram eles e não a elite que sabe comer de garfo e faca que fez de Bolsonaro o fenômeno de 2018.

O que os empresários educados, políticos experientes e generais de muitas estrelas estão pedindo hoje a Bolsonaro é que ele abandone os seus eleitores mais fiéis. Que juste elo, o radical de caricatura, torne-se mais pragmático.

O equívoco dessa aposta é supor que a moderação de Bolsonaro nas últimas semanas se deva a uma nova estratégia de governo e o temor de que o impasse poderia terminar com o presidente sendo cassado pela Justiça ou impichado pelo Congresso. Esse medo existe, mas o que fez Bolsonaro recuar foi a repercussão nas Forças Armadas da prisão de ex-assessor Fabrício Queiroz na casa de seu advogado pessoal. A fidelidade dos quartéis a Bolsonaro aguentava discursos golpistas em frente ao Quartel General, mas não inclui Queiroz.

pax bolsonariana, portanto, é menos uma estratégia de longo prazo do que um recuo tático para tomar forças num momento de fragilidade. Bolsonaro precisa sobreviver à pandemia e à recessão para voltar às ruas e às redes sociais. E quando precisar novamente de suas bases radicais, sabe que para elas o discurso de moderado é sinônimo de fraqueza. A dúvida é se a elite sabe disso também.

Deixe um Comentário