Bolsonaro “planeja desrespeitar” regras de vacinas de Nova York, diz Guardian

O Poder360 – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) “planeja desrespeitar” as regras de vacinação da cidade de Nova York onde desembarcará para participar da Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU), registrou o jornal britânico Guardian.Em live semanal, Bolsonaro reiterou a recusa em se vacinar© Sérgio Lima/Poder360 15.set.2021 Em live semanal, Bolsonaro reiterou a recusa em se vacinar

Bolsonaro abrirá os pronunciamentos do Debate Geral, na 3ª feira (21.set.2021).

Segundo a publicação, o mandatário é o único líder do G20 que afirmou publicamente não ter sido vacinado contra a covid. Na 5ª (16.set), o presidente reiterou a suposta decisão de não se vacinar durante sua live semanal. Assista (48m23s).

“Tomar vacina para quê? Minha taxa de anticorpos está lá em cima, eu te apresento o documento”, disse. “Eu estou bem, vou tomar vacina, a Coronavac, por exemplo, não vai chegar a essa efetividade. Depois que todo mundo tomar a vacina, vou decidir o meu futuro”. O presidente testou positivo para covid em julho de 2020.

ONU (Organização das Nações Unidas) não irá exigir prova de vacinação contra covid-19 para os participantes. A organização cogitou apoiar a exigência da cidade de Nova York, mas recuou.

O sistema que será levado em consideração será o de honra, ou seja, a ONU vai aceitar a palavra dos chefes de Estado sobre suas imunizações. Nesse sistema, ao entrar na Assembleia Geral, os diplomatas afirmam que estão completamente vacinados contra covid-19.

O presidente da Assembleia Geral Abdulla Shahid tinha apoiado as regras sanitárias de Nova York, que exigem o comprovante de vacinação, como mostrou o Poder360. Mas a sede da ONU é considerada um território internacional. Tecnicamente, não precisa respeitar as normas de Nova York. Shahid tinha informado que a ONU respeitaria a exigência, mas sofreu críticas da Rússia, que afirmou que seria uma discriminação.

Logo depois, na 4ª feira (15.set), o diretor-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmou que a ONU não poderia fazer a exigência de prova de vacinação aos líderes mundiais. “Nós, como Secretariado, não podemos dizer a um chefe de estado que se ele não for vacinado não pode entrar nas Nações Unidas”, afirmou em entrevista a Reuters.

A agência norte-americana Associated Press classificou que a recusa de Bolsonaro em se vacinar pode ser um “obstáculo” para o “líder de direita sitiado que busca reabilitar a imagem no exterior”.

Segundo a AP, o “ceticismo” de Bolsonaro ressoou, inicialmente, entre a base eleitoral, mas fez pouco para diminuir o desejo dos brasileiros pela imunização. Pelo menos 67% da população já recebeu uma dose da vacina.

Deixe um Comentário