Clima tenso e divergência entre MP e prefeitura do Natal marcaram a reunião que chancelou funcionamento apenas de serviços essenciais no RN por 14 dias

De uma fonte na reunião de hoje que definiu a produção de novo decreto no RN, que entra em vigor no sábado (20) e vai até 03 de abril.

Clima foi de tensão no encontro entre governo, prefeitura do Natal e Ministérios Públicos.

O parquet queria 21 dias de lockdown. Ficou acertado 14 com serviços essenciais em funcionamento.

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, resistiu. Não queria alinhar ações com o governo do RN e com a tese consensuada pelos demais poderes na mesa.

O MP foi pra cima e falou em investigação e responsabilização pelas mortes. Há 130 pessoas em fila de espera para UTI-Covid na região metropolitana de Natal.

Foi aí que ele recuou e aceitou a convergência de decretos.

Os MPs foram os grandes protagonistas do momento.

Um diário oficial estadual extra sairá ainda nesta quarta feira com as medidas.

Veja quais os serviços que funcionarão durante o período:

  • Oficinas de veículos automotores, máquinas e equipamentos agrícolas;
  • Locadoras de máquinas e equipamentos agrícolas;
  • Lojas de suprimentos agrícolas;
  • Podólogos;
  • Serviços de saúde;
  • Serviços de segurança privada;
  • Supermercados; Mercados; Hipermercados; Quitandas; Açougues; Peixarias; Padarias;
  • Distribuições de alimentos;
  • Serviços de Delivery;
  • Loja de autopeças;
  • Postos de combustíveis;
  • Farmácias, drogarias e similares;
  • Lojas de artigos médicos e ortopédicos;
  • Hotéis, flats, pousadas e acomodações similares;
  • Lojas de material de construção;
  • Locadoras de máquinas e equipamentos para construção;
  • Petshops, hospitais/clínicas de veterinária;
  • Locadoras de máquinas, equipamentos e bens tangíveis;
  • Atividades de agências de emprego;
  • Atividades de agências de trabalho temporário;
  • Lojas de reparos de computadores e bens pessoais e domésticos;
  • Lavanderias;
  • Serviços funerários;
  • Atividades financeiras e de seguros;
  • Imobiliária com serviços de vendas e/ou locação imóveis;
  • Transportes Públicos coletivos ou não (ônibus, trens, táxis, transportes por aplicativos e outros);
  • Correios e serviços de entregas;
  • Transportadoras;
  • Imprensa.

Deixe um Comentário