Com a realidade da pandemia se impondo pela segunda vez em Natal, prefeitura e seus apoiadores procuram terceirizar responsabilidades e manter falsa narrativa viva

Na primeira onda da pandemia de covid-19 o prefeito de Natal Álvaro Dias e seus apoiadores, com a operação placebo da ivermerctina, venderam um falso sucesso na cidade.

Com mentiras deslavadas – o blog está cheio de textos desmascarando-as -, a capital que tem 24% da população do RN e mais de 40% das mortes virou exemplo para mundo, segundo os ufanistas locais.

Agora a realidade se impôs de novamente. E, com mais dados, a tragédia se escancarou como farsa. O que restou? Tentar manter a mentira no ar e terceirizar problemas.

Com a pior situação do RN, Defensores do prefeito já culparam a população, o governo do estado, outros prefeitos potiguares, o mundo, os fabricantes do remédio que expuseram a farsa da ivermerctina, as agências de saúde do planeta que não recomendam o remédio e estariam mancomunadas com ricos laboratórios, espalham fake news de forma oficial, falsos estudos, propagam charlatões, etc, etc, etc. O poço já não tem mais fundo há bastante tempo.

E não adianta querer convencer da verdade a quem interessa manter a mentira pelas pretensões eleitores do prefeito para 2022 e pelo estelionato eleitoral de 2020. Insistem, mas o rei está nu. O que vier de agora em diante será só para ficar gravado na biografia de cada um e na história bizarra de Natal durante o período pandêmico.

Deixe uma resposta