Copa do mundo em Natal ou hospitais? Lembrar sobre o caso da derrubada do machadão é preciso

A disputa política também acontece através da tentativa de (re) contar o passado, uma maneira de justificar as ações do presente, fortalecer projetos próprios e enfraquecer opositores. Com a pandemia do coronavírus, por exemplo, surgiu todo um debate – legítimo – sobre os gastos feitos com a copa do mundo de futebol no Brasil em 2014. Na narrativa atual, nossa situação, com carência de leitos de hospital, se deve ao dispêndio com o evento citado. Por fim, tudo cairia nas costas de Lula, idealizador da ideia.

Aqui não entraremos na seara nacional, mas mais especificamente na estadual. Natal foi escolhida como uma cidade sede e um longo debate aqui se desenvolveu. O Potiguar participou intensamente do debate, acompanhou e escreveu bastante sobre o assunto.

O dilema começou logo após a certeza de que Natal estaria diretamente envolvida. Todos os esforços foram feitos, com amplo apoio da sociedade norteriograndense, para que o RN sobrepujasse outros Estados que também ansiavam pela vaga. Deu certo.

Mas vinha a questão: em qual local fazer? Ora, disseram alguns, no já construído Machadão, que poderia ser ampliado a um custo não muito elevado. Repito: era consenso no RN, na classe política e entre os eleitores, com pesquisas de opinião publicadas – eu mesmo já trabalhava na área e gerei algumas na época -, o desejo de realizar o evento aqui. Vejo muita gente hoje fazendo o conveniente papel de desentendido ou até atacando, como se nada tivesse endossado. Mas, por favor, que ninguém tire o corpo fora agora.

A diferença estava no formato e a polêmica rapidamente se instalou. Logo surgiu a tese de que seria fundamental colocar o Machadão, como dizia aquela atriz famosa, na chon e erguer uma Arena nova. E é aí que a insanidade das obras faraônicas vem à tona. O RN tem um histórico disso. Vide o já esquecido papodromo.

Não existia a menor necessidade de derrubar o Machadão, para construir uma arena nova. A esquerda do Rio Grande do Norte, com algumas exceções, bateu de frente contra a ideia. Não tenho memória curta e o próprio google me permite relembrar – foram diversas denúncias de que a necessidade de derrubar o machadão era mera invenção de grupos interessados na feitura de uma nova. Chegaram inclusive a inventar – não tem outro nome mais apropriado – que acabar com o machadão era uma exigência da FIFA, algo depois desmentido pela própria instituição.

Os mais variados veículos de imprensa e colunistas escreveram editoriais, fizeram matérias, externaram opiniões e publicizaram supostos estudos sobre como, após construída, a Arena das Dunas seria capaz de impulsionar o turismo e abrigar grandes eventos. A classe política disputou a paternidade do equipamento literalmente na base do empurrão. A foto para bater o martelo da construção do novo estádio é prova do que falo e está eternizada para quem hoje interessa esquecer.

Eu escrevi diversos textos, que colocarei nos comentários, dizendo o que lia na forma de denúncia feita por alguns especialistas e críticos da ideia.

Um trecho:

“Demétrio não conseguiu explicar os atrasos nas obras, desapropriações indevidas e o uso posterior do “Arena das Dunas”, grande aspirante a elefante branco. A não ser que alguém acredite que Aero Smith, Pink Floyd e Madonna venham mandar seus shows por aqui. Um papodromo em versão ampliada. Com dinheiro público, claro”.

O resultado é conhecido. Jogamos dois equipamentos no lixo: machadinho e machadão, empenhamos os ativos estaduais como garantia e pagamos um financiamento, que ainda vai durar por décadas, por algo que não gerará retorno.

Mas o que vale enfatizar hoje é que essa maluquice interessada, ao menos aqui no RN, foi obra de uma insanidade coletiva com amplo apoio popular, da imprensa e da classe política. Favor, portanto, não procurem bodes expiatórios. Temos que arcar com as consequências das nossas ações, até para que isto não se repita no futuro.

Texto de 2012

Copa 2014 em Natal e o jornalismo imparcial da INTERTV Cabugi, http://www.cartapotiguar.com.br/2012/03/12/copa-2014-em-natal-e-o-jornalismo-imparcial-da-intertv-cabugi/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+CartaPotiguar+%28Carta+Potiguar%29

Texto publicado em 2013

Sobre a copa do mundo em Natal: mais uma oportunidade desperdiçada, http://www.cartapotiguar.com.br/2013/03/12/sobre-a-copa-do-mundo-em-natal-mais-um-desperdicio-de-oportunidade/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+CartaPotiguar+%28Carta+Potiguar%29

Deixe um Comentário