Em carta, Léo Pinheiro volta atrás em delação contra Lula; o seu depoimento foi o que justificou a condenação de Lula pela Lava Jato

Sobre o depoimento do empreiteiro Leo Pinheiro, que alterou sua versão mais uma vez (leia a matéria abaixo), agora inocentando Lula, cabe lembrar: 1. Era a ligação entre o Triplex e Lula; 2. Era a justificativa pra alegar que o dinheiro do Triplex era de propina da Petrobras, o que permitiu o processo de Lula ir para as mãos de Sérgio Moro.

Leo Pinheiro, que a princípio não citou Lula, mudou sua versão na perspectiva de tentar acordo com a Lava Jato. Ele tinha recebido uma pena superior a 20 anos de prisão. Agora ele altera sua versão novamente, a partir de carta de próprio punho, voltando ao que disse inicialmente.

Em carta, Léo Pinheiro volta atrás em delação contra Lula

Do Metrópoles

Ex-presidente da construtora OAS e uma das figuras centrais da Operação Lava-JatoLéo Pinheiro escreveu carta em que nega as acusações feitas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Firmada em 2019, a delação de Léo Pinheiro apontou que Lula atuou pessoalmente para que o Brasil conquistasse um espaço maior no Banco Centro-Americano de Integração Econômica (BCIE) e beneficiasse a empreiteira.

Agora, o empresário mudou a versão. Na carta, escrita a mão em maio e anexada ao processo em junho, Pinheiro afirma desconhecer o pagamento de propina a autoridades investigadas no caso e que não sabe se houve intercessão de Lula.

A carta foi usada pela defesa do ex-presidente petista para solicitar o arquivamento da acusação de corrupção e tráfico de influência internacional.

“Não tenho conhecimento, nem autorizei nenhum pagamento ou oferta de vantagens indevidas ou me foi solicitado ou exigida pelas pessoas (autoridades) citadas no questionamento (a)… Não houve nenhuma menção direta ou indireta sobre vantagens indevida…”, destaca Léo Pinheiro em trechos do manuscrito.

Na delação, agora desmentida, o empresário cita uma viagem à Costa Rica, em que teria pedido a Lula que realizasse uma audiência com Nick Rischbieth, presidente do BCIE.

Dois anos depois a história mudou de rumo. “A empresa OAS não obteve nenhuma vantagem, pois inclusive não foi beneficiada por empréstimos do BCIE”, concluiu.

A delação afirmava, segundo Pinheiro, que Lula agiria para aumentar a participação do Brasil na estrutura societária da instituição financeira, “bem como credenciar a OAS a realizar parceria com tal banco”.

À época, empreiteiro detalhou o encontro, que teria ocorrido na suíte onde Lula estava hospedado e que contou com a presença dele de outro executivo da OAS, o diretor Augusto Uzeda. Em depoimento às autoridades, Uzeda negou a realização dessa reunião.

Novas cartas

Segundo interlocutores do ex-presidente da OAS, ele pretende fazer outras cartas voltando atrás em trechos de seu acordo envolvendo Lula.

Um depoimento do empreiteiro dado antes de ele assinar sua delação foi usado para condenar Lula no Caso do Triplex, que neste ano foi anulado.

Deixe um Comentário