Índia libera exportação de vacina contra covid-19 para o Brasil

Do poder 360 – O governo da Índia liberou as exportações comerciais de vacinas contra a covid-19. As primeiras remessas serão enviadas ao Brasil e ao Marrocos na 6ª feira (22.jan.2021).

A informação é do secretário de Relações Exteriores da Índia, Harsh Vardhan Shringla, em entrevista à agência Reuters.

“O fornecimento das quantidades comercialmente contratadas também começará a partir de 6ª feira, começando pelo Brasil e Marrocos, seguidos pela África do Sul e Arábia Saudita”, disse.

Em nota, o Ministério da Saúde confirmou a informação e disse que “a carga vinda da Índia será transportada em voo comercial da companhia Emirates ao aeroporto de Guarulhos e, após os trâmites alfandegários, seguirá em aeronave da Azul para o aeroporto internacional Tom Jobim, no Rio de janeiro”.

O laboratório indiano Instituto Serum é responsável pela produção de 2 milhões de doses da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e pela Universidade Oxford que foram compradas pelo Ministério da Saúde.

O governo federal, no entanto, vinha enfrentando dificuldades diplomáticas para viabilizar a chegada do imunizante.

O governo chegou a adesivar o avião da companhia Azul que buscaria as vacinas na Índia em 14 de janeiro. Na data, no entanto, o Ministério da Saúde afirmou que a partida da aeronave “foi reprogramada em algumas horas por questões logísticas internacionais”.

Também no dia 14, o site Hindustan Times publicou uma notícia informando que, segundo fontes do governo indiano não identificadas na matéria, não havia previsão de quando a Índia autorizaria o fornecimento dos imunizantes a outros países até aquele momento, incluindo o Brasil.

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) telefonou para o chanceler indiano Subrahmanyam Jaishankar no mesmo dia. Jaishankar manifestou a intenção de atender ao pedido brasileiro “nos próximos dias”, mas não indicou uma data para que as doses da vacina fossem liberadas.

O chanceler indiano atribuiu o atraso na liberação a “problemas logísticos” decorrentes das dificuldades de conciliar o início da campanha de vacinação no país de mais de 1,3 bilhão de habitantes ao fornecimento de imunizantes para outras nações.

Na 3ª feira (19.jan), o governo da Índia informou que começaria a enviar as vacinas produzidas no país para uma lista de nações vizinhas e parceiras a partir de 4ª feira (20.jan). O Brasil não apareceu naquela relação inicial.

INCÊNDIO EM FÁBRICA

Um incêndio atingiu, nesta 5ª (21.jan), uma fábrica do Instituto Serum, na cidade de Pune, no oeste indiano. Em publicação no Twitter, o CEO da empresa, Adar Poonawalla, disse que o acidente causou a “perda de algumas vidas”, mas não confirmou o número de mortos.

O executivo afirmou que a produção do imunizante contra a covid-19 não foi danificada. “Gostaria de tranquilizar todos os governos e o público de que não haverá perda de produção de Covishield devido a vários edifícios de produção que mantive em reserva para lidar com tais contingências”, disse.

Deixe um Comentário