Maduro segue no colo da esquerda

Erro histórico da esquerda ficar ao lado do ditador venezuelano Nicolas Maduro, que assumirá novo mandato até 2025 e foi desconvidado por Jair Bolsonaro estrategicamente para sua posse para manter a onda antipetista erguida.

O jornal Folha de São Paulo e a revista Piauí trazem duas impactantes matérias sobre o cenário de caos naquele que já foi um próspero país.

Pessoas passam fome, emigram fugindo da perseguição política, enterram seus entes queridos no quintal por falta de dinheiro. As instituições foram todas aparelhadas. Apesar da recente forma na moeda, a inflação ultrapassa um milhão de por cento.

Após uma defesa desastrada do Maduro, que foi bastante utilizada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para justificar suas defesas da ditadura no Brasil, é preciso romper o silêncio e fazer uma enfática crítica contra o assassino da Venezuela.

Deixe um Comentário