Ministro Barroso defende que o magistrado atue como psicólogo da sociedade

O ministro Luis Roberto Barroso disse que o STF precisa respeitar os sentimentos da sociedade no que tange uma possível revisão da prisão em segunda instância.

Fica a pergunta: para quê uma constituição escrita a ser respeitada e o notório saber do magistrado, se o que interessa ao juiz é agir feito psicólogo social sempre pronto a atender as pressões do momento? E com direito a muitas reclamações à imprensa?

A nossa crise é por esse tipo de intromissão do judiciário na política. Na confusão entre quem deve aplicar a lei e quem deve elaborá las. Como foi ruim a indicação do dito cujo, sem qualquer noção de institucionalidade, para o supremo.

Deixe um Comentário