Nas redes, mobilização para o 7 de Setembro não fura a ‘bolha’

Do Estadão – O núcleo de apoio ao presidente Jair Bolsonaro conseguiu fazer barulho nas redes ao sustentar que a manifestação governista do feriado de 7 de setembro será “gigante”, mas o real impacto da convocação nas ruas ainda é incerto. Dados de monitoramento indicam que o assunto está mais presente na internet do que em outros atos governistas, mas também denunciam uma ação concentrada em determinados perfis e baixo engajamento fora do campo bolsonarista mais fiel.

De acordo com um levantamento da consultoria Bites, foram registradas 2,43 milhões de menções ao ato do Dia da Independência no Twitter entre os dias 18 e 31 de agosto. Na manifestação anterior, em que bolsonaristas pediram a adoção de um registro de voto impresso, o número de postagens nas redes era de 2,04 milhões com a mesma antecedência.

Essa presença no Twitter, por outro lado, tende a ser impulsionada por uma minoria de contas mais ativas. Uma reportagem do Núcleo Jornalismo, com base em 590 mil posts na rede social entre os dias 24 e 31 de agosto, apontou que apenas 12% dos perfis responderam por mais de dois terços dos tuítes sobre o 7 de setembro. O dado atesta que o debate está mais limitado a um grupo específico.Em Brasília, ambulantes pretendem faturar com o movimento gerado pelos atos do dia 7 de setembro.  © Gabriela Biló/Estadão Em Brasília, ambulantes pretendem faturar com o movimento gerado pelos atos do dia 7 de setembro. 

A concentração das conversas em uma espécie de “bolha bolsonarista” aparece ainda em um estudo do Laboratório de Pesquisa em Mídia, Discurso e Análise de Redes Sociais da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), realizado a pedido do Estadão. Raquel Recuero, que coordenou a pesquisa, relata que o grupo de direita apoiando o 7 de setembro parece bastante fechado e homogêneo, orbitando entre contas de políticos e influenciadores alinhados a Bolsonaro.

“O que nos parece sintomático é que, geralmente quando se tem uma grande manifestação, como em 2013, ela derrama para a sociedade civil, em vez de incluir apenas grupos partidários”, afirmou Recuero. “Esse derramamento não está presente.”

A tônica dos discursos sobre as manifestações de 7 de setembro teve variações nas últimas semanas. Uma análise da consultoria Quaest mostra que, na primeira semana de agosto, quando a mobilização era tímida, o assunto principal no Twitter ainda era a defesa do “voto impresso”, com 42% da amostra. Porém, rejeitada na Câmara dos Deputados, a proposta esfriou e passou a ser ofuscada por uma narrativa de que grupos não deixam Bolsonaro governar, em especial o Supremo Tribunal Federal (STF) e o ministro Alexandre de Moraes. O discurso pela “liberdade” e “contra o STF” dominou as conversas na terceira semana de agosto, quando a quantidade de menções quadruplicou no Twitter.

Felipe Nunes, cientista político da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e diretor da Quaest, observa nesse movimento uma tentativa de resgate do presidente como uma figura anti-sistema — lembra, na opinião dele, o episódio em que Bolsonaro publicou um vídeo se comparando a um leão perseguido por hienas.

Pelo levantamento da consultoria, o tema da “liberdade” definitivamente assumiu protagonismo depois que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, arquivou um pedido de impeachment de Moraes apresentado por Bolsonaro. Na medição mais recente, respondia por 66% dos comentários. Já as menções “contra o STF” ficaram em um distante segundo lugar (14%), ao mesmo tempo que comentários referentes ao ex-presidente Lula (PT) se tornaram mais frequentes (10%).

Dentro desse conceito amplo de liberdade, cabem diversas acusações de censura ao conservadorismo. Viralizaram nas redes sociais conteúdos afirmando que o ministro Alexandre de Moraes tentava “sufocar” as manifestações por abrir inquérito contra o cantor Sérgio Reis e o deputado Otoni de Paula (PSC-RJ); críticas ao governador João Doria (PSDB) por afastar um comandante da Polícia Militar que incentivou o ato pró-Bolsonaro; denúncias quanto a uma “manobra” da esquerda de organizar protesto na mesma data e local.

Reação

Guilherme Felitti, fundador da empresa de análise digital Novelo Data, argumenta que a mudança de foco também está relacionada a ações do Judiciário que atingem influenciadores bolsonaristas e aliados políticos. No YouTube, o jornalista constatou a remoção de mais de 1.500 vídeos de canais de extrema-direita depois da prisão do ex-deputado e presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, e da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de suspender a monetização de contas investigadas por propagar fake news. “A partir do momento que houve a prisão do Roberto Jefferson, o bolsonarismo deu um passo para trás”, afirmou Felitti.

O professor Fábio Malini, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), também interpreta esse abrandamento como uma resposta ao “contra-ataque das instituições”, mas encara essa postura com ceticismo. “Somente quando o ato acontecer é que veremos de fato se essa relação mais hostil entre as instituições será reforçada ou não.”

Deixe um Comentário