Natal terá festa de rico, mas não dos pobres

Aglomeração para festas privadas? Pode.

Para carnaval fora de época? Ok.

Para um réveillon na praia, único momento em que os pobres podem ver uma queima de fogos e comemorar a passagem de ano sem pagar? Aí não pode.

Qual é a lógica epidemiológica? Nenhuma. Vírus também contamina quem paga ingresso ou usa abadá.

De concreto só que quem pode menos irá arcar com mais. Como sempre.

A medida mais eficiente é intensificar a cobrança do passaporte vacinal. Ai a Prefeitura não quer. Afinal, tem voto entre os bolsonaristas, que são contra a medida.

Deixe um Comentário