O antibolsonarismo pode ser em 2022 o que o antipetismo foi em 2018

Do poder 360

Por Thomas Traumann

Reprovado por 2 de cada 3 brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro é um fenômeno de resiliência. Com a pandemia de covid-19 matando 100 mil brasileiros por mês, a economia em retração, a miséria aumentando e a oposição no Senado controlando uma CPI, Bolsonaro segue com o apoio resoluto de 1/3 dos brasileiros. Bolsonaro governa apenas para esse 1/3, certo de que, se superar a tempestade de 2021, chegará às eleições com uma base vibrante e um lugar assegurado no 2º turno.

A tática faz sentido, mas a última pesquisa PoderData revela o outro lado do fenômeno bolsonarista: ao mesmo tempo que mantém um piso muito alto de 31% nas simulação de 1º turno, Bolsonaro tem um teto muito baixo, de 38% no 2º.

De acordo com a pesquisa, no 1º turno Bolsonaro oscilou de 30% duas semanas atrás para 31%, enquanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se manteve com 34%. Os demais candidatos têm resultados desprezíveis.

Na projeção de segundo turno, no entanto, Bolsonaro vai mal. Perde para Lula por 34% x 52%; para Luciano Huck por 35% x 48%; e obtém seus melhores resultados com 38% nos empates técnicos contra Ciro Gomes, João Doria e Sergio Moro. Para um presidente eleito 2 anos e meio atrás com 57,8 milhões de votos, é pouco.

É preciso acompanhar resultados de novas pesquisas, mas o PoderData desta semana permite a hipótese de que o antibolsonarismo terá em 2022 o mesmo poder decisivo que o antipetismo em 2018. Qualquer um que chegar ao 2º turno contra Bolsonaro tem possibilidades reais de ganhar, não pela sua popularidade, mas pela rejeição provocada por Bolsonaro. Veja o caso do governador João Doria, que com apenas 4% das indicações no 1º turno saltou para 37% quando está no mano-a-mano contra o presidente.

Se confirmada, essa hipótese tem reflexos eleitorais importantes. O 1º está na base congressual do governo. Para um deputado em busca da reeleição é confortável apoiar um presidente com um piso de 1/3 dos votos, mas pode ser inviável se esse candidato não for reeleito. Ninguém aposta em cavalo perdedor, especialmente a turma do Centrão.

Novas pesquisas mostrando o teto de Bolsonaro podem apressar a definição da chamada Terceira Via, a turma do centro e centro-direita que tenta fabricar um candidato fora da dicotomia Lula-Bolsonaro. A pesquisa PoderData mostra que Huck e Doria têm potencial, desde que consigam multiplicar seus votos no 1º turno.

A 3ª consequência será no estilo Bolsonaro. Nos últimos 2 anos, sempre que esteve sob pressão, Bolsonaro dobrou a aposta, radicalizou o discurso e jogou sobre antigos aliados a responsabilidade dos desastres da sua gestão. Não será diferente agora. Um Bolsonaro minoritário será um Bolsonaro cada vez mais extremado.

Deixe um Comentário