O verdadeiro fiel da balança em Natal

Pelo que é possível acompanhar conforme avaliação predominante em Natal, um prefeito bem avaliado, que pacificou a imprensa, a câmara municipal e segue com oposição em inanição depende para se reeleger de um político sem mandato e que não pode se candidatar contra ele.

Assim é descrita a aproximação entre Álvaro Dias e o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves. Apesar das análises locais, Alves depende mais de Dias do que o contrário para sobreviver mais dois anos sem mandato. E, mais, para alojar um grupo mínimo pensando em 2022.

Tem alguma lógica? Não. Só que o ex-prefeito tem conseguido valorizar bem o seu apoio e a maioria embarca pela incapacidade de separar o passado da perspectiva de futuro.

Caso apoie alguém que não seja o próprio prefeito Álvaro Dias, Carlos Eduardo Alves morrerá abraçado com o nome que vier a escolher. Ele não tem outro caminho. Dias chegou ao poder público municipal pelas suas mãos e se rebelar contra ele a essa altura do campeonato não o ajudaria em nada. Não há mais tempo hábil para tanto.

Só há uma opção em jogo para ambos os lados, pois o apoio de Carlos Eduardo também seria bom para Álvaro Dias, forjando a parceria vitoriosa de 2016 e 2018 na cidade. Mas só um está conseguindo transmitir, no sentido de fazer todos acreditarem, que é o fiel da balança.

Deixe um Comentário