Avatar

Gravação com político de peso do RN

/

É o que se comenta nos bastidores da fazenda iluminada chamada Natal. Um encalacrado cedeu uma gravação de uma conversa com um político de peso do RN. O filmete já estaria nas mãos de órgão competente. Promessa de grandes emoções nos próximos dias.

Chance zero de Haddad vir a ser candidato

/

Concordo com o sociólogo Alberto Carlos Almeida. Haddad como presidenciável é bucha de canhão. Sua candidatura é inviável. Obtendo 16% dos votos em primeiro na eleição municipal de São Paulo, caso fosse pleiteante, passaria toda a eleição nacional, tendo de explicar porque foi tão mal aceito pelos paulistas. Haddad foi colocado como candidato para garantir a divisão de atenção e travessia de terceiros.

Verba para café cidadão e restaurantes populares é carimbada

/

Diante da expansão do café cidadão e restaurantes populares do Governo do RN por diversas cidades, alguns críticos têm apresentado a seguinte questão: por que gastar com o programa, se há também outros problemas a serem enfrentados? Há quem fale até em ação política por parte da secretaria de assistência e ação social.

Na verdade, é o inverso disso. A razão é técnica. O recurso utilizado no custeio vem do fundo de combate à pobreza e à desnutrição. Portanto, só pode ser utilizado em ações de segurança alimentar.

Proposta de parlamentarismo é bode na sala

/

A proposição do parlamentarismo por Michel Temer e seus aliados é bode na sala. Chance zero de passar. O eleitor não aprova.

Mas por qual razão apresentar uma ideia já fadada ao fracasso de saída? Ora, para desviar o assunto sobre o que de fato importa.

“A separação do caixa dos poderes do tesouro do RN é um absurdo completo”

/

Conversei ontem (31), no boa tarde, cidadão, do cientista político Robson Carvalho com o mesmo e com o ex-deputado, jornalista e advogado Ney Lopes.

Trocamos ideias sobre o contexto político local é nacional.

Segue o link para o programa da Band:

Aprovado projeto de Fábio Faria para instalar bloqueador de celular nos presídios

/
Proposta apresentada no ano passado pelo deputado potiguar foi aprovada por unanimidade em Comissão Especial junto a outras que tratam do mesmo tema; texto irá a Plenário
A Comissão Especial do Regime Penitenciário de Segurança Máxima aprovou por unanimidade o Projeto de Lei do deputado federal Fábio Faria (PSD-RN), que tramita desde o ano passado, para obrigar a instalação de bloqueadores de sinal de celular nas penitenciárias do país. A medida vale para as unidades com mais de 50 detentos. O texto agora vai à Plenário.
A proposta também estabelece limitações administrativas ao direito de construir a 200 metros dos limites externos das unidades prisionais. “É uma das importantes medidas que podem ser tomadas para acabar com as articulações que resultam em crimes, como assassinatos, golpes, roubos, e ações isoladas de terror que já vimos o Rio Grande do Norte e outros estados brasileiros enfrentarem”, justifica o parlamentar.
O Projeto de Lei do deputado tramita apensado a outros que tratam do mesmo tema na Comissão Especial, instalada em fevereiro deste ano para analisar 40 projetos de lei sobre segurança pública que sugerem, entre outras medidas, alterações na Lei de Execução Penal (Lei 7.210/84) para criar o regime de segurança máxima nos presídios brasileiros e incluir regras que permitam um melhor combate ao crime organizado no país.

MPF denuncia ex-aluno acusado de pichar UFRN

/

Ação penal pede reparação do dano ao patrimônio

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) denunciou o ex-aluno Flávio Louzas Rocha por ter pichado paredes do Departamento de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Deart/UFRN), no final de 2014. Para o MPF/RN, o ato caracteriza o crime de dano ao patrimônio da União (art. 163, do Código Penal). Como a pena mínima para o crime não extrapola o limite de um ano, o MPF pede a suspensão condicional do processo por dois anos, desde que haja a reparação do dano causado à UFRN.

De acordo com o inquérito policial instaurado para investigar o caso, no final de 2014, houve ocupação nas dependências do Deart por um grupo de manifestantes, composto por alunos e ex-alunos da instituição. Na ocasião, em que os alunos reivindicavam melhorias, foram feitas várias pichações nas paredes no Departamento. No momento, não foram identificados os autores, entretanto, posteriormente à ocupação, a Vigilância da UFRN localizou uma pessoa pichando uma parede, na saída do prédio. O momento foi fotografado por um dos vigilantes. Ao abordar o suspeito, Flávio Louzas Rocha, verificou-se a existência de latas de spray na bolsa dele.

Apesar de ter negado a autoria das pichações, o denunciado, ao ser interrogado, confirmou ser ele mesmo e sua então companheira, na fotografia registrada pela vigilância. “Diante das provas colhidas nos autos, demonstra-se que o denunciado Flávio Louzas Rocha foi o responsável pela pichação realizada em uma das paredes do Deart”, conclui a denúncia do MPF.

Suspensão condicional – A suspensão condicional do processo pode ser solicitada pelo MPF, quando da apresentação da denúncia, se o acusado não responder a outro processo criminal. É necessário ainda que não tenha sido condenado por outros crimes, para que cumpra determinadas condições em troca da extinção do processo. No caso, as condições serão determinadas em juízo, durante audiência admonitória.

O processo tramita na Justiça Federal sob o número 0807644-09.2017.4.05.8400

Em sessão solene, Câmara celebra 49 anos do bairro Felipe Camarão

/
“A história de Natal está associada a esse bairro, cuja história vincula-se ao rio Potengi, símbolo da nossa cidade”. Foi com essas palavras que o presidente da Câmara Municipal de Natal, vereador Ney Lopes Júnior (PSD), deu início a uma sessão solene, nesta quarta-feira (30), em homenagem aos 49 anos de fundação do bairro Felipe Camarão. Durante a solenidade, personalidades do cenário político, religioso, esportivo e cultural da comunidade receberam diploma meritório pelos relevantes serviços prestados à capital potiguar.
Em seu discurso, Ney Lopes pontuou que o momento não é apenas de celebração, mas também de reivindicar melhorias tão aguardadas pelos cidadãos. “Nesta Casa a nossa missão é cobrar, lutar, denunciar, fiscalizar. Ser a voz daqueles que moram na região e sentem falta de infraestrutura, saúde, educação e segurança pública”, afirmou o presidente.
Com uma população de aproximadamente 70 mil habitantes e uma área de 663,40 hectares, Felipe Camarão é um dos maiores e mais populosos bairros de Natal, representando cerca de 6% da população e 20% da Região Oeste (área administrativa municipal que pertence).
O músico Adriano Praxedes, do Projeto Tocando a Vida D’amore, mantido pela ONG Atitude Cooperação, disse que desde 2006 são ministradas aulas de música aos jovens da comunidade. “Ensinamos a tocar violino, contrabaixo, piano, flauta, entre outros instrumentos. O objetivo é levar música erudita para o bairro e encaminhar os alunos para a UFRN através de projetos de extensão”.
Por sua vez, o presidente do Conselho Comunitário de Felipe Camarão, Alexsandro Duarte, agradeceu a homenagem do Legislativo natalense. “Na maioria das vezes apenas as dificuldades enfrentadas pelo bairro viram notícia, que são agravadas pela descriminação e abandono por parte dos poderes públicos. Todavia, coisas boas acontecem na comunidade; tem muita vida e alegria por lá”, concluiu.

Blitzen simultâneas da Operação Lei Seca autua 67 condutores em Natal

/

A madrugada deste domingo (06) em Natal, contou com a realização de duas blitzen simultâneas de fiscalização da Operação Lei Seca do Departamento Estadual de Trânsito do RN (Detran). As barreiras foram montadas no cruzamento das Avenidas São José com Raimundo Chaves, em Candelária, e na Avenida Engenheiro Roberto Freire, em Capim Macio. No total, 67 condutores foram autuados por desrespeito a Lei Seca, sendo dois deles presos sob acusação de crime de trânsito.

Na ocasião, um motorista foi autuado duas vezes na mesma noite ao cruzar as duas ações de fiscalização do Detran. “O condutor se recusou a fazer o teste na fiscalização em Candelária e após se autuado e ter seu veículo liberado para um outro condutor habilitado, ele acabou reassumindo o volante, sendo mais uma vez flagrado e autuado já no nosso segundo ponto de blitz, em Capim Macio”, relatou o coordenador da Operação Lei Seca, capitão Isaac Paiva.

Um outro motorista, que já havia sido autuado duas vezes na fiscalização da Operação Lei Seca efetuada durante a festa de San’Ana, em Caíco, foi mais uma vez flagrado transgredindo a legislação de trânsito por embriaguez ao volante. De acordo com o capitão Isaac Paiva, o condutor teve sua CNH devolvida na última sexta-feira (04). “Dessa vez ele foi autuado na Avenida Engenheiro Roberto Freire e assim como no primeiro caso, que ele foi multado duas vezes na mesma noite,, ele vai ter a multa dobrada, que somada com a primeira, vai para quase R$ 9 mil, além de ter a CNH cassada”, contou.

As intervenções ainda conseguiram flagrar um motorista de van que levava instrumentos musicais e os componentes de uma banda musical que iriam tocar no estádio Arena das Dunas. Nessa situação o condutor não fez o teste do etilômetro e foi autuado administrativamente.

O motorista flagrado dirigindo embriagado é punido com retenção da CNH, apreensão do veículo, que só será liberado com a presença de um condutor habilitado, multa no valor de R$2.934,70 e sete pontos na carteira, além de outras penalidades administrativas (artigo 165 CTB). Isso se o teste de bafômetro acusar até 0,33 mg/l de álcool por litro de sangue no organismo ou se ele se recusar a fazê-lo.

Se o teste acusar a partir de 0,34 mg/l, ou se ele se recusar a fazê-lo, mas apresentar sinais visíveis de embriaguez, além de responder nos termos do artigo 165, vai ser enquadrado no artigo 306 (crime de trânsito): será preso e conduzido à Delegacia de Polícia, onde será iniciado o devido processo legal, respondendo pelo crime que prevê a punição de seis meses a três anos de prisão.

URGENTE – preciso de cliques e por isto utilizo a palavra URGENTE

/

Apesar de me considerar novo, sou do tempo em que a palavra urgente era empregada no noticiário quando uma guerra eclodia ou um presidente vinha à óbito.

Nos tempos de redes sociais a coisa mudou. Sedentos por cliques, forma através da qual a receita da publicidade é adubada, os portais têm utilizado o termo para eventos cadas vez mais corriqueiros. Às vezes, a mera tramitação de uma matéria no legislativo ou andamento de um processo judicial, sem qualquer consequência ainda prática, ganha um alarme desproporcional como forma de atrair o leitor. Banalização total.