Paulo Guedes tem offshore milionária em paraíso fiscal, revela consórcio jornalístico

Da Isto É – O ministro da EconomiaPaulo Guedes, possui uma offshore milionária nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal no Caribe, o que é proibido pela lei por conta do cargo público que ocupa. As informações foram reveladas pelo projeto Pandora Papers, do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), que reúne 600 repórteres de 151 veículos em 117 países e territórios.Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

As informações sobre a empresa aberta pelo ministro da Economia constam em uma reportagem da revista piauí, que junto com a Agência Pública e os sites Poder360 e Metrópoles, compõem o braço brasileiro dessa investigação jornalística.

De acordo com a reportagem, em setembro de 2014, ainda no governo da então presidenta Dilma Rousseff (PT), Guedes fundou a Dreadnoughts International, nas Ilhas Virgens Britânicas. Nos meses seguintes, o até então sócio da gestora de recursos Bozano Investimentos aportou 9,55 milhões de dólares, equivalentes a R$ 23 milhões na época, que hoje corresponde a R$ 50 milhões.

Até aquele momento, o negócio não seria ilegal, desde que o saldo mantido fora do país seja declarado à Receita Federal e ao Banco Central. Mas o artigo 5º do Código de Conduta da Alta Administração Federal proíbe funcionários do alto escalão de manter aplicações financeiras, no Brasil ou no exterior.

A proibição se dá pelo fato de que algumas autoridades públicas podem ter informações privilegiadas por conta do cargo ou função que ocupa. Portanto, a partir de janeiro de 2019, cinco anos após abrir a offshore e aportar 9,55 milhões de dólares, essa regra se aplicaria a Guedes, por ter se tornado ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro (sem partido).

Ainda de acordo com a reportagem da piauí, as penas para quem infringe o artigo 5º do Código de Conduta da Alta Administração Federal variam de uma simples advertência à recomendação de demissão.

À publicação, Guedes disse que, assim que assumiu o cargo, em janeiro de 2019, informou à Comissão de Ética Pública, encarregada de julgar possíveis infrações ao código, sobre seus investimentos externos. O caso só foi julgado em julho deste ano, e a Comissão disse não ter visto irregularidades e arquivou o caso.

Quando questionada pela revista qual a justificativa da decisão, a Comissão informou que as informações contidas nos julgamentos são sigilosas “em face dos dados sensíveis que delas constam, inclusive fiscais e bancários”.

Ainda segundo a reportagem do projeto Pandora Papers, Guedes não é o único integrante da equipe econômica com offshores em paraísos fiscais. O presidente do Banco CentralRoberto Campos Neto, também consta nos documentos revelados pela reportagem como dono da Cor Assets S.A., uma offshore no Panamá.

A empresa foi fechada por Campos Neto em outubro do a no passado. No entanto, durante os 21 meses em que presidiu o Banco Central na condição de dono da offshore, ele também poderia ser enquadrado no artigo 5º do Código de Conduta.

Deixe um Comentário