Relator do orçamento para os próximos quatro anos, José Dias muda sua opinião e mostra resistência à devolução de sobras orçamentárias dos poderes para o caixa único do tesouro

O deputado estadual José Dias é o relator das Leis de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que valerá pelos próximos quatro anos no RN.

Em matéria publicada pelo jornal Tribuna do Norte de hoje (9), Dias alega que as sobras orçamentárias dos poderes (TJ, TCE, MP, Defensoria e Assembleia) não passam de “lenda urbana” e uma forma do “governo transferir sua responsabilidade e incompetência aos outros poderes”.

Dias mostra agora resistência em relação a um dispositivo colocado pela proposta do governo na LDO, para que os recursos retornem ao tesouro e sirvam para o pagamento de salários e outras necessidades do executivo estadual.

Conforme foi publicado aqui por este blog, os poderes têm cerca de 150 milhões de reais em caixa, enquanto o Estado conta com três folhas salariais em aberto. O RN é um dos estados que mais gastam seu orçamento com os poderes no país.

Ocorre que, no governo anterior, o de Robinson Faria, José Dias era favorável à devolução das sobras para o caixa único do tesouro estadual.

Segue trecho da matéria produzida pela própria Assembleia Legislativa do RN de 2016:

Em aparte (ao deputado Fernando Mineiro, defensor da devolução das sobras), os deputados José Dias (PSDB), Kelps Lima (Solideriedade) e Dison Lisboa (PSD) parabenizaram seu posicionamento e reforçaram a tese da devolução de recursos ao Tesouro. “Numa democracia, a independência e harmonia entre os poderes, depende deste entendimento. Temos que buscar uma solução que envolva todos. A polícia não tem gasolina, armas, munição. A saúde não tem recursos, há muitos problemas”, disse José Dias”.

Por qual razão mudou de opinião tão radicalmente em tão pouco tempo?

Matéria da assembleia na íntegra:

http://www.al.rn.gov.br/portal/noticias/7197/mineiro-defende-devoluo-de-saldo-oramentrio-ao-tesouro

Deixe um Comentário