Retórica golpista que deve ser chamada pelo nome

A imprensa está sendo usada pelos militares, na medida em que não chama a ação pelo nome – nossas eleições não são fiscalizadas por eles -, para pombo correio de suas ameaças à sociedade. Eles informaram hoje que irão estabelecer uma apuração paralela da contabilização de votos.

Ora, militar não tem nenhuma atribuição objetiva no controle do processo eleitoral na constituição. Nenhuma. A retórica mobilizada é golpista e serve para embalar desejos confessos do presidente Jair Bolsonaro, que busca a reeleição e está em desvantagem nas pesquisas.

Como as ameaças foram ignoradas pelo Tribunal Superior Eleitoral, eles passam agora a mandar recados via imprensa. Como os jornais não chamam a ação pelo nome, a tática persiste.

Deixe um Comentário