A abertura das CPIs no RN em ano eleitoral pode terminar como não esperado para os envolvidos

A oposição pleiteou e conseguiu abrir a CPI da Covid no RN. A CPI da Arena das Dunas, que já estava aprovada, foi ativada. A base do governo Fátima ficou com as duas relatorias, através do deputado Francisco na CPI da Covid no RN e Isolda Dantas na Arena das Dunas. Não é pouca coisa.

Já as presidências serão de Kelps Lima (CPI da Covid) e Coronel Azevedo no caso da Arena das Dunas. As relações intricadas podem gerar resultados não esperados para todos os envolvidos.

A oposição pode, ao arrepio de seus deputados federais, ter concedido uma boa vitrine para Kelps Lima, que é cotado para uma vaga de federal em 2022. Será um bom resultado para Getúlio Rego, Tomba Farias e José Dias? Kelps sabe é um parlamentar inteligente e saberá capitalizar o espaço em ano de eleição. Foi uma boa para os deputados de oposição? As oito vagas de federal serão extremamente disputadas no RN.

Tomba Farias e Getúlio Rego foram da base de apoio da ex-governaora Rosalba Ciarlini. Rego inclusive era seu líder na assembleia. Foi naquela gestão que foi estabelecido o contrato entre governo do RN e Arena das Dunas. Segundo a controladoria geral do estado, a relação foi lesiva ao erário.

Como é que a oposição irá se comportar? Atacará Fátima Bezerra, através da CPI da Covid, sabendo que pode levar bola nas costas na CPI vizinha?

Até o presente momento, o que se tem em termos de conteúdo gera uma desigualdade de disputa. Por um lado, como já citado, há o parecer da CGE apresentando problemas objetivos no que vai ser averiguado na CPI da Arena das Dunas.

No caso da CPI da Covid, a oposição deve centrar fogo na compra dos respiradores pelo governo do RN, através do consórcio do nordeste. Nos demais pontos, os deputados terão de demonstrar que a fiscalização feita pelo ministério público e a aprovação dos contratos pelo Tribunal de Contas do Estado foram falhas. Uma tarefa hercúlea.

Os então implicados no caso da Arena das Dunas, agora na oposição ao governo Fátima, defendem a relação com a construtora do estádio. Porém, há indícios que serão apurados, aditivos e perspectivas de sobrepreço.

Já na compra dos respiradores, foi o próprio governo que, uma vez não tendo recebido os equipamentos, fez a denúncia a Polícia Federal e a investigação segue no Superior Tribunal de Justiça. O MP de Contas emitiu parecer alegando que não aconteceu ato de corrupção no caso.

O que enfatizo, caro leitor, é que há munição para todos os lados, mas quem se encontra mais “descoberto” na história são os defensores do contrato entre Governo e Arena das Dunas. E isto, cabe lembrar, com o governo do RN, que terá interesse em possivelmente centrar fogo em uma das CPIs, com as duas relatorias.

É uma equação que certamente será feita e as negociações nos bastidores irão ferver. Palpite – a montanha irá parir um rato. A turma do deixa disso, quando muitos têm a perder, irá dominar o cenário.

Deixe um Comentário