A UFRN, o “jardim das aflições” e seu recado

UFRN, “JARDIM DAS AFLIÇÕES” E O SEU RECADO
Mais do que o documentário, o pessoal do “jardim das aflições” quer expor o mundo universitário com suas apresentações nas UFs pelo país. A estratégia é clara e tem sido bem sucedida. Nas redes sociais e nos grupos de whatsapp dos quais participo as pessoas perguntam: por que a PF e a PM não podem entrar na UFRN? Só pode ter militância na UFRN de esquerda e não de direita? Olavo tem razão e por aí vai. Eles se referiam a uma polêmica que toma conta das redes sociais: os organizadores da transmissão do documentário sobre a vida de Olavo de Carvalho ontem (14) na UFRN pediram e, ao que parece conseguiram, proteção da polícia militar. É difícil explicar a quem não teve vivência universitária que uma UF não é espaço pra polícia. Mas é algo grave que merece maiores detalhamentos.

Mas o flanco aberto ao misticismo não vem de hoje. Essas pessoas, reacionárias, se aproveitam do espaço já aberto ou nunca fechado antes.

Lembro de uma “pesquisa” e “extensão” na UFRN de Santa Cruz em que o uso de remédios era criticado e os tais pesquisadores introduziram no hospital o uso de rezadeiras. O princípio obscurantista era de suposto respeito  aos saberes. Lembro de uma macaca trazida à UFRN, que tinha cultura. Essas e outras “pesquisas” sempre foram empurradas em nome de “novos olhares”.

No âmbito da militância diretamente política não é diferente. O vereador Paulinho Freire foi processado e condenado na primeira instância pelo fato de usar a Semtas como ponto de reunião e para guardar material de campanha. Ora, quantas reuniões políticas e eleitorais não aconteceram e ocorrem cotidianamente na UFRN? Se o que foi aplicado ao vereador citado fosse aplicado no âmbito universitário, quantos não seriam condenados? Não faz muito tempo um docente me relatou que entrou numa sala e viu uma plenária partidária, com bandeiras e tudo.

A Adurn utiliza as instalações da UFRN para fazer atividades de militância cotidianamente. Ora, como espaço público mantido pelos impostos de todos, é mais legítimo ocorrer ação de militância sindical do que de um grupo de pessoas conservadoras?

O que os reacionários estão dizendo é: se vocês podem por qual razão não podemos? 

Ou a avacalhação é avaliada por completo ou apenas passará mensagem de desejo por privilégio. E é isto que o pessoal do tal “jardim” está sabendo utilizar, jogando com o obscurantismo e manipulação nas redes.

Deixe um Comentário