Divulgada gravação de Trump discutindo pagamento a modelo da Playboy

Modelo Karen McDougal relata ter mantido caso extraconjugal por nove meses com Trump – Reprodução/Twitter

Uma gravação na qual se ouve Donald Trump discutindo com seu ex-advogado Michael Cohen sobre como silenciar a história de sua suposta relação com uma modelo da Playboy foi divulgada pela rede CNN nesta terça-feira. O próprio Cohen liberou a gravação, que havia sido descoberta durante uma varredura do FBI (a polícia federal americana) em seu escritório.

A gravação, feita dois meses antes da eleição presidencial de novembro de 2016, foi descoberta pelo FBI no escritório de Cohen. O Departamento de Justiça está investigando o envolvimento do advogado no pagamento a mulheres para esconder notícias embaraçosas sobre Trump antes das eleições. Os promotores querem saber se isso violou as leis federais de financiamento de campanha, caso os pagamentos tenham configurado uma doação oculta de Cohen à campanha de Trump.

No áudio, as discussões giram em torno de Karen McDougal, então modelo da Playboy, que afirma ter tido uma “relação romântica de dez meses” com Trump iniciada em 2006, pouco depois do nascimento de Barron, o último filho do presidente com sua mulher atual, Melania.

Trump e Cohen falam sobre a compra dos direitos da história de McDougal, que ela havia vendido um mês antes por US$ 150 mil ao tabloide National Enquirer, do grupo do empresário David Pecker. O jornal nunca chegou a publicar a história. A prática, conhecida como “pegar e matar”, acabou silenciando McDougal por todo o resto da campanha presidencial.

Na gravação, Cohen diz a Trump que precisa “abrir uma empresa para transferir toda aquela ‘info’ ligada a nosso amigo David. Quando a conversa aborda a questão do dinheiro, Trump pergunta “Que pagamento?” e Cohen responde: “Vamos ter que pagar”. Então, embora neste momento o áudio esteja ruim, Trump aparentemente diz “Pague com dinheiro”, e Cohen retruca “Não, não”.

Após a divulgação do áudio, Trump atacou Cohen num tuíte.

“Que tipo de advogado gravaria um cliente? Tão triste! Esse é o primeiro, nunca ouvi falar disso antes? (sic) Por que a gravação foi tão abruptamente terminada (cortada) enquanto eu presumivelmente estava dizendo coisas positivas? Dizem-me que há outros clientes e muitos repórteres que são gravados — como pode ser assim? Muito ruim!”

A existência da gravação levanta ainda mais perguntas sobre as táticas que Trump e seus associados podem ter usado para manter aspectos de sua vida pessoal e empresarial em segredo. Ela também destaca o potencial perigo legal e político que Cohen representa para Trump. Uma vez detentor de muitos dos segredos de Trump, Cohen agora é visto como cada vez mais disposto a considerar a possibilidade de cooperar com os promotores.

Rudolph W. Giuliani, advogado pessoal de Trump, confirmou em uma conversa telefônica na sexta-feira que Trump havia discutido os pagamentos com Cohen na conversa gravada, mas disse que o pagamento a McDougal nunca foi feito. Ele disse que a gravação durou menos de dois minutos e demonstra que o presidente não fez nada de errado.

— Nada nesta conversa sugere que ele tivesse conhecimento disso com antecedência — disse Giuliani, acrescentando que Trump havia ordenado a Cohen que, se ele fizesse um pagamento relacionado à mulher, pagasse em cheque, ao invés de enviar dinheiro, para que pudesse ser devidamente documentado. — No grande esquema das coisas, são poderosas evidências de defesa.

Os advogados de Cohen descobriram a gravação como parte de sua revisão dos materiais apreendidos e a compartilharam com os advogados de Trump, de acordo com três pessoas informadas do assunto.

Ao tomar conhecimento, na semana passada, da existência dessa gravação, Trump classificou de “totalmente inédito” e “talvez ilegal” o fato de ter sido gravado por seu ex-advogado sem seu consentimento.

O Globo

 

Deixe um Comentário