Ex-secretário de comunicação joga culpa por atraso na vacinação em Pazuello: “Incompetência”; versão contradiz governo

Do poder 360 – Ex-secretário de Comunicação do governo Bolsonaro, o publicitário Fabio Wajngarten acusou a equipe comandada pelo ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello de “incompetência” e “ineficiência” na aquisição de vacinas contra o coronavírus. As declarações foram publicadas nesta 5ª feira (22.abr.2021), em entrevista à revista Veja. A reportagem é a capa da edição desta semana.

Mesmo criticando a condução do Ministério da Saúde no combate à covid, Wajngarten poupou qualquer atribuição de culpa ao ex-chefe, o presidente Jair Bolsonaro. Para ele, a preocupação do Executivo sempre foi direcionada a todas as faces da crise, em especial naquela que se refere aos mais pobres.

“O presidente Bolsonaro está totalmente eximido de qualquer responsabilidade sobre isso. Se as coisas não aconteceram, não foi por culpa do Planalto”, disse.

Wajngarten é um dos cotados para depor na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Senado que investigará a conduta do governo durante a pandemia e o uso de recursos da União transferidos para Estados e municípios. Ele guarda e-mails, registros telefônicos e afirma ter testemunhas para provar suas acusações. O publicitário, no entanto, não diz se usará o possível “arsenal” com as informações que tem em mãos, mas afirma que “esclarecerá” tudo que for preciso.

Para tentar acelerar o programa de vacinação –ao qual teceu várias críticas–, o próprio ex-secretário teve reunião com executivos da Pfizer –que, à época, estava em fase acelerada de testes nos Estados Unidos. A farmacêutica ofereceu 70 milhões de doses ao Ministério da Saúde, que não demonstrou interesse na proposta.

Insatisfeito com a conduta, Wajngarten diz que levou o caso a Bolsonaro, e recebeu sinal verde para negociar ele mesmo a compra dos imunizantes. O contrato, no fim, não foi para frente.

“A vacina da Pfizer era a mais promissora, com altos índices de eficácia, segundo os estudos. Precisávamos da maior quantidade de vacinas no menor tempo possível. E dinheiro nunca faltou. Então, eu abri as portas do Palácio do Planalto. Convidei os diretores da empresa a vir a Brasília. Fizemos várias reuniões. Fui o primeiro a ver a caixa que armazenava as vacinas a menos 70 graus. Eu também levei a caixa para o presidente Bolsonaro ver. Expliquei que aquilo não era um bicho de 7 cabeças, como alguns técnicos pintavam. (…) Infelizmente, as coisas travaram no Ministério da Saúde”.

Eis trecho da entrevista:

Repórter: Volto a insistir: se o presidente autorizou, seus principais auxiliares concordaram e o acordo não aconteceu, o que explica isso?

“Incompetência e ineficiência. Quando você tem um laboratório norte-americano com cinco escritórios de advocacia apoiando uma negociação que envolve cifras milionárias e do outro lado um time pequeno, tímido, sem experiência, é isso que acontece”.

Repórter: O senhor está se referindo ao ex-ministro Eduardo Pazuello?

“Estou me referindo à equipe que gerenciava o Ministério da Saúde nesse período”.

Wajngarten foi demitido em março, depois de especulações de atritos com a equipe gerenciada por Pazuello.

“Pessoas ligadas ao então ministro da Saúde começaram a plantar notícias de que eu estaria tentando ajudar a Pfizer por interesses pessoais. Foi a gota d’água para eu decidir sair do governo”.

Segundo o ex-secretário, os erros cometidos por integrantes do governo podem prejudicar uma possível tentativa de reeleição de Bolsonaro: “Se as pessoas creditarem ao presidente a responsabilidade pelas mortes durante a pandemia, isso pode impactar”.

VERSÃO CONTRADIZ PRÁTICA DO GOVERNO

A versão de Wajngarten sobre a conduta de Pazuello a respeito das vacinas contradiz algumas práticas que aconteceram durante o governo Bolsonaro. Em 21 de outubro de 2020, o presidente cancelou a compra de 41 milhões de doses da CoronaVac, da China. A compra tinha sido acertada pelo então ministro da Saúde.

No dia seguinte, em 22 de outubro de 2020, Bolsonaro visitou Pazuello, que se recuperava de covid-19. O então ministro da Saúde disse, em vídeo, uma frase que equivale a assumir que era subordinado das ordens do presidente: “Senhores, é simples assim. Um manda e o outro obedece, mas a gente tem um carinho, dá pra desenrolar”.

Para Fabio Wajngarten, esses fatos da realidade inexistiram. Pazuello seria o único responsável pelos atrasos na aquisição das vacinas.

Deixe um Comentário