Não é lagosta, mas uma laranjada contra o STF

NÃO É LAGOSTA, MAS UMA LARANJADA CONTRA O STF

Não é de hoje que tentam queimar as instituições brasileiras, oferecendo verdadeiras laranjadas.

O supremo tribunal federal, como qualquer outro poder que recebe autoridades do mundo todo, oferece ótimas refeições aos seus convidados. É a imagem do Brasil em jogo. O executivo também o faz e o legislativo não age de outra forma. Quer seja aqui ou lá fora. O gasto é ínfimo diante do que um encontro diplomático e de cooperação representam.

Pois bem, após abertura de pregão eletrônico pelo STF, para a compra de comidas finas para os eventos que a casa vai abrigar em 2019, quem se preocupa em queimar a corte, utilizou o ato para pintar os magistrados de nababescos. A campanha contra o supremo tem patrocínio governamental.

Não deixando a boçalidade cair, uma juíza de primeira instância, numa canetada, tenta impedir a compra. O desejo por fama contaminou os juízes brasileiros em início de carreira. A liminar já foi derrubada.

No novo Brasil é assim. Vive-se de lorotas, efeitos especiais e nada de conteúdo que vá além disso. Quero ver alguém vir a público mostrar em qual nação do mundo, em eventos internacionais oficiais, serve-se pão com ovo, hambúrguer com fritas ou misto quente.

Deixe um Comentário