O caso Neymar: radicalismo de parte do feminismo é um prato cheio para o bolsonarismo

O CASO NEYMAR: RADICALISMO DE PARTE DO FEMINISMO É UM PRATO CHEIO PARA O BOLSONARISMO

É fundamental ouvir o que as pessoas falam e tentar entender o que elas procuram expressar dentro do contexto dos significados mobilizados. Quando uma mulher diz que não é feminista é preciso compreender o sentido da afirmação. Há as que são simplesmente defensoras do retorno de hierarquias mais explícitas e tradicionais de gênero. Outras, porém, recusam o radicalismo desapegado da realidade que os movimentos identitários comumente apresentam. Não aceitam os lugares de fala essencialistas e a demonização do diferente presentes em tais ditos feminismos. Ora, existem homens que respeitam as mulheres e eles são sim bem diferentes dos que não agem conforme a lei.

Na visão radical identitária, por conta da fonte, este texto não poderia existir. Só mulher pode falar de mulher, pobre de pobre, etc. Para um tipo de movimento o homem já é culpado por ser homem. E no caso do jogador Neymar, acusado de estupro por uma mulher com quem manteve relações sexuais, tem um agravante. Ele é de direita. Não tem como ser inocente.

Uma minoria pequena só que barulhenta foi pra cima dele quando a situação veio à tona. A revelação do ocorrido mostra que o contexto é bem mais complicado do que a bolha identitária imaginou já de partida. Quem atacou Neymar agiu, no mínimo, de maneira precipitada, um sintoma das pré-noções que carrega. Agora, ao que tudo indica, terá de rever seus conceitos, pois existe outra versão e ela deve ser considerada. Ampla defesa é também para isto. Ou permanecer no espaço de esquemas fáceis e binários de um cercado apartado da complexidade da realidade.

Casos como esse da acusação contra o Neymar são um prato cheio para o bolsonarismo. O extremista será eleito novamente se os movimentos identitários não tiverem a capacidade de lutar pelos seus direitos aglutinando, ao invés de estigmatizando e segregando.

Foi resumindo toda rica e plural (nas visões e processos) pauta identitária a esse radicalismo visto agora contra o jogador de futebol, que o bolsonarismo conseguiu que os protestos feitos durante a campanha sob a alcunha #EleNão se voltassem contra os seus entusiastas. É um problema que persistirá enquanto homem for tratado por uma parte dos movimentos sociais como um misógino nato, branco como um racista inquestionável ou heterossexual como um homofóbico já desde criancinha.

Deixe um Comentário