Promotora obrigada a deixar caso Marielle é pressionada a sair também de grupo que combate crime organizado

Painel/Folha – Integrantes do Ministério Público do Rio de Janeiro dizem que a promotora Carmen Eliza foi praticamente obrigada a se afastar das investigações sobre o assassinato de Marielle Franco. Ela foi avisada de que, se não saísse, seria “saída”. Eliza virou alvo de pedidos para que deixasse o caso após a divulgação de fotos em que aparece fazendo campanha para Jair Bolsonaro. Novas conexões políticas reveladas em grupos de promotores nesta sexta (1º) ampliaram o desconforto. Colegas do Ministério Público receberam fotos em que a promotora aparece em eventos sociais posando ao lado do governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).

Deixe um Comentário