Recall não é voto: entenda a diferença

Todo ano pré-eleitoral é a mesma coisa. Há sempre os beneficiários da confusão entre recall em pesquisa e voto. Só que são duas coisas distintas.

Ter um bom recall é importante? Óbvio. Já partir com um capital eleitoral é legal. Só que não necessariamente ele é base para saber se o postulante irá ganhar o ano que vem. O recall é a lembrança, que já habilita para partir com 10%, 20% ou mais de votos possíveis.

Voto efetivo é algo que se realiza de fato no dia e gera a vitória do postulante.

Devemos, portanto, esperar até o dia da eleição para estabelecermos prognósticos sobre quem vai ganhar e perder? Não. A questão é não resumir a análise – interessada? – em dizer quem está na frente ou atrás há um ano da eleição.

Para uma candidatura ser de fato competitiva, ela precisa contar com:

1. rejeição competitiva, isto é, aquela que não inviabiliza a candidatura por uma grande quantidade de anti-eleitores;

2. correlacionar nível de conhecimento do nome com possibilidade de crescimento durante a campanha;

3. É possível ainda projetar a forma como a candidatura se insere de forma positiva – ou não – no contexto eleitoral em que o eleitor vai optar em prol da mudança ou pela permanência do grupo que se encontra no poder. Governos bem avaliados e contextos em que os cidadãos estão satisfeitos com as suas vidas criam a perspectiva da continudade. A indicação é de alteração se mal avaliados e diante de um cenário econômico adverso.

Cabe notar, portanto, que um político pode partir com 20%, 30% dos votos e não levar se for, por exemplo, já bastante conhecido (não há público eleitoral para crescer), apresentar elevada rejeição e remar a favor da permanência de um grupo político no poder, que já é fortemente reprovado pela população.

No sentido inverso, num ano pré-eleitoral, o vencedor pode partir com escassa intenção de voto em pesquisa, mas ser ainda pouco conhecido (tem forte público a ser apresentado e crescer), baixas perspectivas de rejeição (entre quem o conhece a rejeição é baixa, por exemplo) e caminhar conforme o “espírito do tempo”, isto é, a favor da mudança ou permanência que o eleitor espera do pleito.

Em suma, o recall precisa ser sempre matizado. Mas, repito, sempre haverá quem faça uso dessa vantagem que, a depender do contexto é falsa, para se apresentar da melhor maneira na prateleira do mercado de alianças em prol da sua melhor introdução na eleição do ano posterior.

Deixe um Comentário