Setores das Forças Armadas viram braço forte e mão amiga do golpismo

Da Folha de São Paulo

Por Reinaldo Azevedo

Ninguém mais tem o direito de duvidar de que setores das Forças Armadas, em concerto com o presidente Jair Bolsonaro, estão empenhados em impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva caso este vença as eleições de outubro. Chega de fingir normalidade! Chamemos as coisas pelo nome enquanto é tempo. Querem nos impor uma democracia tutelada, em que generais atuem como cabos e soldados de um capitão arruaceiro. Sem nem um jipe.

Será que devemos nos tranquilizar com a informação de que William Burns, diretor-geral da CIA, deixou claro a Bolsonaro e a assessores, em julho do ano passado, que o rompimento da ordem por aqui seria inaceitável para os EUA, convidando-o a não pôr em dúvida o sistema eleitoral? Ao contrário. Como a Inteligência americana não costuma enviar mensagens com esse teor, tem-se a evidência de que a turma detectou risco real de bagunça.

Um mês depois, no dia 5 de agosto de 2021, Bolsonaro recebeu a visita de Jake Sullivan, assessor especial de Joe Biden. Este estava acompanhado de Juan Gonzalez e Ricardo Zúñiga, altos funcionários do Conselho de Segurança Nacional para o Hemisfério Ocidental. E o que fez o guia genial do golpismo? Disse ao trio que tinha a firme convicção de que Donald Trump fora vítima de fraude. E atacou as urnas eletrônicas. Vale dizer: pôs em dúvida a legitimidade de Biden e do sistema eleitoral nativo.

No dia seguinte à visita, a embaixada americana no Brasil emitiu numa nota em que afirmava: “Sobre a questão das eleições brasileiras, a delegação afirmou ter grande confiança na capacidade das instituições brasileiras de realizar uma eleição justa em 2022. Também ressaltou a importância de preservar a confiança no processo eleitoral que tem longa história de legitimidade no Brasil”. Dá para imaginar como foi a conversa.

É preciso anunciar “urbi et orbe”, aos próximos e aos distantes, que a democracia está sob ataque. Se um golpe teria ou não condições de ser “bem-sucedido” e o que se entende por isso, eis uma matéria controversa. Eu até acho que acabariam todos na cadeia. Mas teríamos de arcar com um custo terrível decorrente do desatino. É preciso que tentemos evitar o desastre.

“Mas a pinima é só com Lula?” É, sim! Até agora, não se vê no horizonte um outro candidato viável, e sempre que a extrema direita, com ou sem uniforme, evoca a questão da “segurança das urnas eletrônicas”, refere-se à possibilidade de o petista vencer a disputa.

Meteu-se, e foi de boa-fé, um representante das Forças Armadas na Comissão de Transparência Eleitoral do TSE. Foi um erro, registrado por mim precocemente aqui e em toda parte. O fardado nunca pensou em direito de voto. Logo entendeu que participava do grupo com direito de veto.

Li no Estadão, sem contestação, que o general Heber Garcia Portella, o escalado para a tarefa, “cobrou da Corte que adote com urgência medidas para prever e divulgar antecipadamente ‘as consequências para o processo eleitoral, caso seja identificada alguma irregularidade’.”

Não sei o que isso quer dizer. Nem ele. O TSE sempre foi eficaz em, por exemplo, substituir urnas eletrônicas com problemas, e não se tem notícia de pessoas que deixaram de votar em razão de dificuldades criadas pelo voto eletrônico.

Portella está a exigir do tribunal um similar do que, no direito penal, se chama “prova negativa” ou “diabólica”. Os militares, que obviamente cruzaram o Rubicão também nesse caso, querem que o tribunal tenha resposta para elucubrações as mais exóticas. No universo em que tudo seria possível, inexiste remédio para o impossível. E aí desafiam a corte eleitoral: “No caso imprevisto, aconteceria o quê?” É a insanidade metódica. Não há resposta certa para pergunta errada.

Desde as conversas com emissários de Biden, Bolsonaro radicalizou a pregação e a prática golpistas. É o único postulante à Presidência assumidamente subversivo, que fala abertamente em luta armada. Transformou a Presidência da República num aparelho golpista. E parte das Forças Armadas se mostra, sim, disposta a lhe emprestar o braço forte e a mão amiga. Contra a democracia.

Até —ou sobretudo— a CIA já sabe.​

Deixe um Comentário