Comerciantes, governo e industriais secundarizaram o plano de retomada da FIERN

O plano de retomada do desenvolvimento da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte, documento elaborado e elogiado por industriais, empresários e associações comerciais e que foi alegadamente incorporado pela equipe do governo, não foi levado em consideração pelos próprios na defesa da flexibilização do isolamento social. Também não consta que seus parâmetros foram revisados e/ou justificados.

Pelo plano, que foi aqui apresentado pelo blog, para reabertura ocorrer, era necessário: 1. ter leitos de suporte para o caso de novo crescimento de infectados pela covid-19, 2. ter testes suficientes, 3. já encontrar na sociedade ampla massificação das medidas sanitárias e. por fim, 4. mapear uma queda consistente dos casos de infecção no RN. Tais condições estão contempladas?

Do blog: não sou especialista no assunto. Desta forma, concebo como possível o fato de que os critérios tenham sido racionalmente revistos. Porém, se ocorreu, faltou debater o assunto na esfera pública potiguar e demonstrar o porquê da mudança.

Do blog 2: Portanto, o post não é contra ou a favor do processo de flexibilização do isolamento, mas sobre a ausência de transparência a respeito dos critérios que embalaram o encaminhamento da questão.

Deixe uma resposta