Em novo desabafo, Flavio Rocha diz que procuradora persegue as facções

Em novo desabafo, Flavio Rocha diz que procuradora persegue as facções

Do Portal Agora RN – Em novo desabafo – desta vez no Instagram – o principal executivo do grupo Guararapes, Flavio Rocha, acusou a procuradora Ileana Mousinho, do Ministério Público do Trabalho, de “perseguir” as facções têxteis e de querer “fazer mal” ao pai dele, Nevaldo Rocha.

O MPT tem se colocado no caminho das facções que atuam no interior do Rio Grande do Norte, por entender que seus operários não estão sendo tratados dignamente. Como consequência, o MPT pediu que o grupo Guararapes contrate os trabalhadores e ainda pague um multa de R$ 38 milhões.

Em seu texto, Flavio Rocha pede que, mesmo após infrutífera conversa pessoal, Ileana Mousinho “deixe o ódio de lado” e deixe-o, juntamente aos operário terceirizados das facções, trabalhar em paz.

Dr. Ileana Mousinho, eu me dirijo à senhora não como acionista e gestor. Não como dono da Guararapes ou da Riachuelo, mas como porta voz de toda a cadeia produtiva de um setor que é uma vocação do nosso estado. Tecelões, costureiras, operadores de callcenter, motoristas de caminhão, caixas, vendedores, próprios, terceirizados, nas 27 estados da federação.

A maioria, 20%, ainda no RN. Mas já foram, antes da sra. entrar na nossa vida em 2008, mais de 60% só no nosso estado. Eram 20.000 só nessa unidade que o vídeo mostra. Era a maior fábrica de confecção do mundo. Todo o mal que a Sra. pensa que está fazendo ao meu pai Nevaldo, recai sobre esses pais e mães de família do vídeo tantos outros que a Sra. acha que defende.

Desde que a Sra começou a nos perseguir a nossa empresa cresceu muito, mas o RN, para nossa tristeza, pouco tem se beneficiado desse sucesso. Ao nos expulsar do nosso próprio estado, a Sra. nos obrigou a construir novas fábricas em outros estados e países que nos recebem com o respeito que merece quem cria empregos e riquezas. É em nome deles, Doutora, que pedimos que pare e nos deixe trabalhar. A Sra. tem sistematicamente enviado denuncias infundadas a todas as delegacias do MPT de todos os estados. Com exigências absurdas que não faz a nenhum dos nossos concorrentes. Por que só nós?

Agora, tenho sido informado por jornalistas de grandes órgãos de imprensa que a Sra ocupa o seu tempo para pautar jornais e redes de TV nacionais com injúrias a respeito da Guararapes, sobre minha pessoa e até sobre minha família. Por que tanto ódio, Dra? Estive com a Sra. por alguns minutos quando tudo isso começou. Tentei já naquele momento, mostrar o dano que iria causar. Tentei mostrar-lhe o que considero ser a minha missão nessa passagem terrena que é transformar o RN na “Galícia Potiguar”. Vejo que não consegui, mas o sonho não morreu. O nosso setor tem o potencial de transformar a realidade socioeconômica do RN. Basta que a Sra deixe o ódio de lado e nos deixe trabalhar.

Deixe uma resposta