Obstrução de justiça e Orcrim viraram tipificações penais coringas de pressão da PF e do MP

Não sou advogado, é preciso deixar claro. Mas não é necessário ter um diploma de direito para perceber que a caracterização de obstrução de justiça e organização criminosa são tipificações banalizadas no Brasil.

Para obstruir à justiça basta respirar, sair de casa e conversar com alguém. Se ocorrer a suposição de que o acusado é poderoso, pronto: ele pode atravessar investigações. Não precisa nem mostrar de que modo ocorreu. Com isso, se justifica prisões de meses sem qualquer condenação.

O conceito de organização criminosa, uma forma de amplificar a gravidade da acusação, é outro coringa. Uma ação delituosa com vários integrantes torna, de imediato, o ato uma imersão conjunta para o crime? 

Com essa lorota, partidos políticos inteiros são vistos como organizações com atos articulados em prol do crime.

Esta banalização se tornou instrumento de ação política da PF e do MP com consequências corrosivas.

Deixe uma resposta