Para Ney Lopes, políticos e empresários montam “esquemão” financeiro para ganhar em 2018 no RN

Para Ney Lopes, políticos e empresários montam “esquemão” financeiro para ganhar em 2018 no RN

POR NEY LOPES,

Advogado, Jornalista e ex-deputado federal

Na surdina, observam-se no RN movimentações políticas intensas nos bastidores, nesse início de 2018.

Pelo andar da carruagem está sendo montado novo “esquemão” no Estado, com o objetivo de tornar-se imbatível nas urnas de 2018.

Com grande participação de convidados aliciados, realizam-se almoços, jantares, conversas, tudo para somar apoios, como dizem os “estrategistas alugados”.

Ao que se sabe, uma preocupação tem sido cooptar aqueles que possam manipular as redes sociais, com a divulgação de notinhas, insinuações, inverdades, tudo muito bem remunerado.

Na justiça eleitoral local já haveriam pedidos formais de fiscalização e acompanhamento dessas divulgações, em razão das punições (até preventivas), que estão asseguradas nas Resoluções, já aprovadas no TSE.

O curioso está sendo a participação e o interesse do empresariado local, não apenas na escolha e “vetos” à candidatos não convenientes, mas sobretudo reivindicando posições nas chapas em montagem.

Já se propagam compromissos de liberação de recursos financeiros para as campanhas.

Se realmente ocorrerem em 2018 essas ajudas locais às campanhas, as “tradicionais saidinhas” ao exterior, nas vésperas das eleições, não irão se repetir esse ano, com prejuízos para as agências de viagem….

A grande cobiça empresarial são as suplências do senador de Garibaldi e José Agripino, principais beneficiários do “esquemão” e que iriam para a campanha, com absoluta certeza de vitória.

Os dois seriam imbatíveis, com os seus concorrentes desprezados, tidos como inviáveis, sem futuro, antipovo, sem votos e aventureiros…

Um observador da cena local destaca que já brilham os “olhos” daquelas conhecidas “lideranças!!!”, até então entristecidas, porque imaginavam que, diante da realidade nacional, não existiria dinheiro circulando, na campanha de 2018.

Para alegria deles, afinal, a promessa de dinheiro aparece.

Para essas “lideranças”, não há outra forma de ganhar uma eleição, senão com muito dinheiro….

O resto seria conversa afiada!

Apenas um detalhe: será que os articuladores do esquemão 2018 sofrem de amnésia?

Esqueceram 2008 em Natal, com Lula no auge da popularidade e mais de dois terços das lideranças da capital apoiando Fátima Bezerra para prefeito e deu Micarla na “cabeça”?

Esqueceram 2014, no RN, com o “acórdão” de Maias e Alves, sacrificando impiedosamente Rosalba?

Ou, pensam que o RN é uma “ilha isolada” no Brasil, na qual o seu povo esquece o passado e despreza o futuro?

Uma dúvida que só as urnas responderão.

Para que a resposta seja completa será necessário que hajam candidatos, enfrentando qualquer tipo de esquemão, sem medo e sem temores.

Ganhar ou perder dependem de Deus e do povo.

O fundamental é ir à luta.

Ninguém ganha uma eleição, sem ser candidato registrado na justiça eleitoral.

O eleitor precisa ter opções e alternativas, para decidir com liberdade.

 

Deixe uma resposta