Pedido de censura: subprocurador-geral da República pede apreensão de livro de Janot

Do Correio Braziliense

O subprocurador-geral da República, Moacir Guimarães Morais Filho, encaminhou um ofício ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) nesta segunda-feira (30/9) pedindo que o órgão apreenda todos os exemplares do livro Nada menos que tudo – Bastidores da operação que colocou o sistema político em xeque, escrito pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot. Na obra, Janot revela que planejou assassinar a tiros o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, em 2017.
De acordo com Moacir Guimarães, as declarações do ex-PGR constituem “ato nocivo à sociedade e, às instituições, incita a violência” e “traz a confissão de alguns atos preparatórios consumados pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que ultrapassam a mera cogitação do homicídio premeditado pelo agente”.
“A prova da confissão da suposta conduta delituosa está a suscitar comentários na sociedade e nas instituições, razão pela qual o suplicante considera nociva à divulgação do livro sem que sejam excluídos dele os capítulos relativos ao fato confessado pelo autor da obra”, detalha o subprocurador-geral da República no pedido ao CNMP.
Dessa forma, Moacir Guimarães pede, como medida cautelar, que seja determinada a apreensão do livro, “retirando-os das bancas de vendas, a prova material da confissão do fato”. 

Deixe um Comentário