RJ: Militares vão deixar Vila Kennedy, diz coronel

Intervenção federal no Rio de Janeiro: Tanque do Exército retiram barricada colocada por traficantes, durante operação na comunidade Vila Kennedy, no Rio de Janeiro (RJ) – 07/03/2018© AFP Tanque do Exército retiram barricada colocada por traficantes, durante operação na comunidade Vila Kennedy, no Rio de Janeiro (RJ) – 07/03/2018

As Forças Armadas vão deixar a favela Vila Kennedy, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, nas próximas semanas. O local tinha sido escolhido para ser uma espécie de “laboratório” da intervenção federal no estado.

Segundo o coronel Carlos Francisco Cinelli, chefe de comunicação do Comando Militar do Leste (CML), a ideia é que as tropas saiam de forma gradativa até que a Polícia Militar restabeleça o patrulhamento. Atualmente, cerca de noventa militares estão na região — entre patrulha nas ruas e força de contingência.

De acordo com Cinelli, a medida foi tomada, principalmente, por uma questão de logística. “São 900 comunidades no Rio de Janeiro e um número limitado de militares”, afirmou Cinelli a VEJA nesta terça-feira. Segundo ele, o objetivo das Forças Armadas não é ocupar as favelas de forma definitiva, mas apoiar a Polícia Militar. “Mesmo quando não houver mais efetivo, continuaremos prestando apoio”, completou.

Os militares já faziam operações na Vila Kennedy antes da intervenção, no âmbito da Garantia da Lei e da Ordem (GLO). As principais operações eram relacionadas a roubo de carga e de carros. “Ainda não temos os dados oficiais do governo, mas as primeiras informações que temos são de que a percepção da população já melhorou”, afirmou.

O anúncio da retirada dos militares foi feito um dia depois de o governo federal anunciar que vai liberar entre 600 e 800 milhões de reais para a intervenção federal no Rio de Janeiro e outros 3 bilhões de reais para o Ministério da Segurança Pública.

Fases

As Forças Armadas atuaram por fases na Villa Kennedy. A primeira delas foi a de estabilização, quando mais mil homens trabalharam para retirar barricadas e obstáculos, para permitir o acesso da Polícia Militar. O objetivo também era evitar os confrontos entre criminosos e policiais.

Na chamada segunda fase, o número do efetivo diminuiu — os militares atuaram no patrulhamento da favela em conjunto com a Polícia Militar.

Deixe uma resposta