‘Robôs’ motivam até 20% de debates em apoio a políticos no Twitter, diz estudo

‘Robôs’ motivam até 20% de debates em apoio a políticos no Twitter, diz estudo

Da Folha – Perfis automatizados, operados até do exterior, motivaram debates no Twitter em situações de repercussão política brasileira desde as eleições de 2014, aponta estudo feito pela FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Em momentos como os debates presidenciais de 2014, manifestação pelo impeachment de Dilma Rousseff em março de 2016 e a greve geral deste ano, apoiadores de um dos lados interagiram em cerca de 20% com “robôs” na rede social –como são chamados esses perfis.

Os robôs impactam nos assuntos discutidos na internet e, segundo a pesquisa, promovem “a desinformação com a propagação de notícias falsas e campanhas de poluição da rede”.

E estavam por todos os lados. Havia perfis que apoiaram Dilma Rousseff (PT) em 2014, assim como Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (ex-PSB, hoje Rede).

Em 2016, eles estavam no lado contrário e no favorável ao impeachment. Nas eleições municipais de São Paulo, participaram de discussões a favor de João Doria (PSDB), Fernando Haddad (PT) e ainda de Celso Russomanno (PRB).

O estudo, feito pela Diretoria de Análises de Políticas Públicas (DAPP) da FGV, verificou no Twitter seis momentos-chave da política, entre o primeiro turno de 2014 e a votação da reforma trabalhista pelo Senado, em julho.

Os pesquisadores, no entanto, ressaltam que as contas na rede social não são necessariamente operadas por políticos ou pessoas que estejam nos seus entornos.

“O estudo tira do campo da hipótese a informação de que todos usam robôs –esquerda, direita e centro– para propagar suas ideias”, afirma Marco Aurélio Ruediger, diretor da DAPP.

Segundo ele, a análise foi feita apenas no Twitter porque permite comparação internacional –nos EUA, Donald Trump usa a ferramenta para se manifestar ao público e imprensa– e é uma plataforma amplamente usada por políticos e partidos.

O DAPP conclui que “o crescimento da ação concertada de robôs representa uma ameaça real para o debate público, representando riscos, no limite, à democracia”.

FAKE NEWS

Depois de filtrar os dados, os pesquisadores analisaram 2.153 contas suspeitas de serem robôs nos casos escolhidos. Nem todas eram completamente automatizadas (algumas publicavam tanto por meio de robôs como pelo próprio usuário).

A avaliação não levou em conta se os conteúdos que espalhavam eram “fake news” ou não, mas aponta que esse é um dos propósitos dos robôs, assim como o de promover ataques virtuais.

“A eleição do ano que vem que vai ser extremamente importante para o país e, com a importância que as redes sociais vão ter nela, é impossível imaginar que haverá menos robôs do que já houve”, afirma Ruediger. Ele faz previsões catastróficas: “Estamos identificando um ‘tsunami’ [de robôs] chegando. Temos que nos preparar para isso, com centros de pesquisas se aparelhando e órgãos públicos competentes para monitorar esse fato.”

Em 2014, um levantamento feito a pedido da Folha ao Laboratório de Imagem e Cibercultura da Universidade Federal do Espírito Santo já apontava que as conversas no Twitter e Facebook no debate presidencial do segundo turno, na Rede Globo, foram fortemente influenciadas pela presença de robôs.

Em 2016, a mesma entidade apontou ataques virtuais de robôscontra o candidato Marcelo Freixo (PSOL) no Rio.

Deixe uma resposta